Banco público é a melhor opção de crédito para imóvel usado

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 12 de janeiro de 2005 as 15:18, por: cdb

Levantamento inédito realizado pelo Conselho Regional dos Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo (Creci-SP), sobre crédito imobiliário no País, demonstra que a Caixa Econômica Federal (CEF) e a Nossa Caixa são as instituições bancárias que oferecem as melhores condições do mercado para financiamento de imóveis usados. De acordo com o estudo, apresentado nesta terça-feira pelo conselho, nesses bancos o interessado em adquirir a casa própria encontra as melhores taxas, os maiores prazos de pagamento e pode financiar até 100% do valor do imóvel.

– Sem dúvida, CEF e Nossa Caixa oferecem as melhores condições de financiamento – afirmou o presidente do conselho, José Augusto Viana Neto. Já entre os bancos privados, segundo o levantamento, foram encontradas as maiores de taxas do mercado, o menor prazo de financiamento e regras mais rígidas para comprovação de renda.

De acordo com o levantamento, a única instituição, entre os 15 maiores bancos do País pesquisados pelo Creci-SP, que financia até 100% do valor do imóvel é a CEF. Para esse tipo de empréstimo, a instituição oferece também a menor taxa do mercado de 5,5% ao ano. Porém, nessa linha, que utiliza recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), a Caixa corrige as prestações pela TJLP (taxa de juros de longo prazo), hoje em 9 75% ao ano, o maior fator de correção encontrado na amostra pesquisada.

Ainda assim, o banco federal e a Nossa Caixa, controlada pelo governo do Estado de São Paulo, destacam-se com as linhas de financiamento que prevêem taxas de 6% ao ano e correção pela TR. Em termos de prazo, os dois bancos públicos oferecem linhas de até 20 anos, período não encontrado nos produtos oferecidos por bancos privados.

Dentre os bancos privados, segundo a pesquisa, Bradesco e HSBC apresentam as maiores taxas de juros para produtos de financiamento imobiliário disponíveis no mercado: 15% ao ano mais correção pela TR para os empréstimos na modalidade Carteira Hipotecária . Ainda entre os bancos privados, a menor taxa foi apurada pelo Creci-SP no Santander/Banespa, de 10,95% e correção pela TR, na modalidade “Supercasa Própria Especial SFH”, com prazo de 15 anos, renda mínima mensal de R$ 4 mil e valor do crédito limitado a 70% do preço de venda do imóvel, que não pode exceder R$ 150 mil.

– De maneira geral, os bancos privados oferecem juros mais altos e prazos e limites de financiamento mais baixos que a Caixa Econômica Federal e a Nossa Caixa – disse Viana Neto. Nessas instituições, o prazo de financiamento varia de 12 anos a 15 anos.

Para o presidente do Creci-SP, o levantamento reforça a tese de que os bancos privados terão de rever seus produtos de financiamento imobiliário se quiserem destinar os R$ 12 bilhões em recursos da caderneta de poupança que devem estar disponíveis para o crédito habitacional em 2005.

– Do lado da CEF, é possível dizer que os recursos estarão esgotados até o final do ano por conta de uma série de medidas tomadas recentemente, como a análise de renda informal, que facilita o acesso ao crédito – comentou. 

–  Mas os bancos privados terão de mudar as regras para conseguir o mesmo.

Idade 

Um dos critérios que restringe o número de tomadores de empréstimo nos bancos privados, aponta a pesquisa, é a restrição por idade. No Bradesco, o candidato ao financiamento não pode ter mais de 54 anos e seis meses de vida. O Santander Banespa, por sua vez, limita os empréstimos àqueles que têm até 55 anos e no Itaú, o limite é de 60 anos.

Segundo a pesquisa, o banco privado com maior tolerância em relação à idade do candidato ao crédito habitacional é o BankBoston, que concede empréstimos para quem tem 75 anos mais seis meses (considerada a idade à época da assinatura do contrato mais o prazo do financiamento). Na CEF, o limite sobe para 80 anos, também levando-se em conta a idade do pretendente e o tempo de financiamento. Em