Banco de Leite comemora 20 anos contabilizando atendimento a cerca de quatro mil crianças

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 30 de maio de 2011 as 17:12, por: cdb

Jorge Júnior
Repórter

Nesta segunda-feira, 30 de maio, o Banco de Leite Humano de Juiz de Fora comemora 20 anos de serviços prestados na cidade e na região. A coordenadora do Banco de Leite, Bernadete Monteiro Oliveira, faz balanço das atividades desenvolvidas durante o período.

“Cerca de quatro mil crianças foram atendidas, 16 mil litros de leite foram recolhidos, oito mil mães foram doadoras e 17 mil atendimentos de intercorrência na amamentação foram executados. A cada ano, aumentamos o número de atendimentos. Fomos, aos poucos, alcançando o nosso objetivo, que é informar as mães da importância de amamentarem seus filhos”, destaca a coordenadora.

Para esse sucesso, Bernadete diz que a parceria com os hospitais da cidade foi essencial para o crescimento do trabalho. “Os órgãos já estão informando as mães do Banco de Leite, o que acaba ampliando as ofertas de doações e também a procura por leite, daquelas mulheres que não podem amamentar.”

Voluntária cria ONG de apoio a pessoas com deficiênciaMetade das reclamações sobre empréstimos consignados no Procon é feita por idososNatação contribui para inclusão social de deficientes físicos e mentais

Para a diretora presidente da Associação Municipal de Apoio Comunitário (AMAC), Regina Caelli, as atividades de conscientização feitas nos hospitais mudou o panorama do Bando do Leite. “Há alguns anos, as mulheres se negavam a amamentar os seus próprios filhos por vaidade.” Para ela, o Banco tem condições de se tornar um Polo de Colaboração de Capacitação. “O Banco de Leite é uma referência na Zona da Mata mineira. Moradores de outras cidades buscam apoio em Juiz de Fora.” 

Depoimento da usuária

“Quando meu filho nasceu eu não sabia amamentar e meu peito empedrou. Foi no Banco de Leite que aprendi a amamentar meu filho”, diz a voluntária Sidileni Emiliano, que há dois messes faz doações para o setor. “É uma atividade muito gratificante. Além de amamentar meu filho, ajudo outras crianças.” A dona de casa Kelly Nascimento também conta que o apoio do Banco de Leite foi fundamental para o início da amamentação. “Como é meu primeiro filho, tive que contar com a ajuda da minha mãe e do banco.”