Banco Central registra lucro de R$ 12,2 bilhões no primeiro semestre

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 25 de agosto de 2011 as 14:14, por: cdb

Wellton Máximo
Repórter da Agência Brasil

Brasília – O Banco Central (BC) apresentou lucro de R$ 12,2 bilhões no primeiro semestre de 2011. No mesmo período, em 2010, o resultado foi um lucro de R$ 10,8 bilhões. O valor apurado desconsidera o custo de manutenção das reservas internacionais. Se esse fosse levado em conta o custo de R$ 44,5 bilhões para administrar as reservas internacionais, o BC teria tido prejuízo de R$ 32,3 bilhões.

Em 2009, o BC mudou a contabilidade e excluiu os custos das reservas internacionais do resultado da instituição. Na época, o banco alegou que, como a dívida pública externa – usada para compensar as reservas no balanço da instituição – passou para o Tesouro Nacional, não faria sentido manter os custos das reservas na sua contabilidade.

Por causa da queda do dólar nos últimos anos, as reservas internacionais (ativos em moeda estrangeira no exterior) perdem valor se convertida em reais. Essa desvalorização se traduziria em custo para a instituição financeira na hora de fechar o balanço se a contabilidade das reservas não fosse separada.

De acordo com o diretor de Administração do BC, Altamir Lopes, a alta dos juros ao longo de 2011 ajudou a impulsionar o lucro de R$ 12,2 bilhões em operações em moeda nacional. No primeiro semestre, o BC vendeu R$ 29,5 bilhões em títulos a mais do que comprou para fazer política monetária. Apesar disso, o valor dos títulos públicos na carteira do banco aumentou R$ 19,4 bilhões por causa do reconhecimento de juros.

O balanço da autoridade monetária no primeiro semestre foi aprovado hoje (25) pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). O lucro de R$ 12,2 bilhões será transferido ao Tesouro Nacional em até dez dias úteis. O prejuízo com a administração das reservas internacionais será coberto pelo Tesouro em 2012. Segundo Lopes, o valor do repasse do Tesouro ao Banco Central precisa ser aprovado no Orçamento do próximo ano.

Edição: Lana Cristina