Balneário de Taba, destino de dezenas de turistas israelenses

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 8 de outubro de 2004 as 03:03, por: cdb

O balneário egípcio de Taba, no golfo de Ácaba, onde mais de 20 israelenses foram mortos em um atentado cometido na quinta-feira à noite, foi o último trecho da península do Sinai devolvido por Israel ao Egito, graças a um acordo de paz assinado em 1979 por ambos os países.

A cidade de Taba, cuja superfície não ultrapassa um quilômetro quadrado, foi restituída ao Egito em 1988, após um veredicto em seu favor determinado por um Comitê de Arbitragem internacional. Deste balneário, nas costas do monte Sinai, pode-se ver Israel, Jordânia e a Arábia Saudita.

Desde sua restituição ao Egito, primeiro país árabe a ter assinado a paz com o Estado hebreu, em 1979, Taba atrai turistas israelenses, em busca, principalmente, de seus cassinos, proibidos em seu país natal.

Famosa por suas palmeiras inclinadas sobre o mar, Taba, vizinha da cidade de Eilat, recebe milhares de turistas israelenses todos os anos. Este número cai sensivelmente após o início da Intifada palestina, em setembro de 2000, mas voltou a subir nos últimos meses, apesar dos alertas das autoridades israelenses.

No dia 9 de setembro passado, Israel advertiu oficialmente seus cidadãos para que não visitassem a península do Sinai por medo de atentados.