Baixa do gás não era verdadeira, mas apenas um mau exemplo de Ministro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 26 de julho de 2002 as 09:17, por: cdb

Depois de afirmar que considerava o valor de R$ 23 como possível
preço para o gás de cozinha em caso de tabelamento pelo governo, o
ministro Francisco Gomide de Minas e Energia divulgou uma nota
para dizer que se referia apenas a um exemplo.
O valor mencionado foi usado exclusivamente como exemplo para
explicar a prática dos distribuidores e revendedores de GLP após a
liberação do mercado, ocorrido em 1º janeiro de 2002. Portanto, não
deve ser considerado como preço máximo ao consumidor, caso a
intervenção do governo sobre os preços do produto se revele
indispensável”, disse na nota.
Ele explicou que poderá haver variações no valor de município para
município “em razão das diferentes alíquotas do Imposto sobre
Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e dos custos dos
fretes”.
Durante conversa com jornalistas ontem pela manhã, o ministro
foi questionado se o valor citado como exemplo (R$ 23) seria o utilizado em caso de intervenção. “Boa pergunta. Acho que sim”, respondeu o ministro durante a entrevista.
Na nota, Gomide disse ainda que “confia que as conversações com os
distribuidores e revendedores de gás de cozinha chegarão a bom termo,
sem necessidade de intervenção do Governo sobre os preços do GLP