Bagdá tem novo dia de bombardeio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 29 de março de 2003 as 18:29, por: cdb

Aviões americanos atacaram repetidamente o sul de Bagdá, um dia depois que um ataque a um mercado deixou, segundo as autoridades iraquianas, mais de 60 mortos.

Os ataques, que acredita-se terem sido feitos por aviões bombardeiros B-52, tinham como alvo unidades da Guarda Republicana, que estão defendendo a capital do Iraque.

O correspondente da BBC Andrew Gilligan disse que o bombardeio deste sábado está entre os mais pesados desde que a guerra começou.

Agora, estão sendo usadas bombas maiores e, quando a noite caiu sobre a cidade, o estrondo do bombardeio era praticamente contínuo, segundo o correspondente.

Ataque a ministério

Mais cedo, forças americanas dispararam mísseis de cruzeiro Tomahawk contra o prédio do ministério da Informação iraquiano, em Bagdá.

Os andares superiores do edifício, que serve de base para muitos jornalistas estrangeiros, foi severamente danificado.

O ministro da Informação iraquiano, Mohammed Saeed Al-Sahaf, disse que o ataque tinha como objetivo impedir que o mundo visse imagens na TV dos efeitos dos bombardeios.

Imagens do ataque ao mercado de Al-Nassar, do distrito de Shula, foram transmitidas por canais árabe via satélite por todo o Oriente Médio.

Se o número de mortos for confirmado, o bombardeio terá produzido a maior quantidade de vítimas civis desde o começo da guerra.

Autoridades iraquianas afirmaram que o mercado foi atingido por um míssil de cruzeiro americano.

Mas um porta-voz das forças americanas disse que o ataque foi, possivelmente, feito por um míssil perdido iraquiano.

O correspondente da BBC em Bagdá Paul Wood disse que o ataque ao edifício do ministério da Informação indica que os americanos agora estão mirando em prédios que tenham tanto um uso militar quanto civil.