Aviões dos EUA levam ajuda médica para Bagdá

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 12 de abril de 2003 as 09:00, por: cdb

Dois aviões de transporte dos Estados Unidos C-130 levaram suprimentos médicos do Kuweit para Bagdá na noite da última sexta-feira (11) para ajudar os médicos a lidar com vítimas da guerra na capital iraquiana.

As 20 toneladas de suprimentos doadas pelo governo do Kuweit estão entre os primeiros equipamentos e remédios que chegaram a Bagdá desde que forças dos EUA assumiram o controle da cidade, na última quarta-feira (9).

Entre os suprimentos há equipamentos de primeiros socorros para tratar vítimas de guerra, salas de cirurgia móveis, insulina e leite para bebês.

Foram coladas nas caixas da doação pequenas fotografias de alguns dos mais de 600 kuweitianos desaparecidos durante a ocupação do país pelo Iraque, entre 1990 e 1991.

O ministro da Saúde do Kuweit, Mohammad al-Jarallah, que estava no aeroporto no momento do embarque, disse que serão enviados mais alimentos e assistência médica.

“Mesmo se a situação melhorar, estamos prontos para mandar mais ajuda, até mesmo pessoal médico para auxiliar o povo do Iraque,” disse.

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha disse na última sexta-feira (11) que o sistema de saúde de Bagdá está quase em colapso por causa dos danos provocados pelos combates, saques e anarquia.

A agência com base em Genebra exigiu que as forças lideradas pelos EUA restaurem a ordem rapidamente, seguindo a obrigações previstas na Convenção de Genebra, e organizem proteção para médicos e equipes.

Poucos médicos e equipes de hospitais estão trabalhando no Iraque e os pacientes fugiram ou ficaram sem tratamento, disse comunicado do grupo humanitário.

O diretor-geral da Cruz Vermelha para o Oriente Médio e Norte da África, Balthasar Staehelin, disse que a situação em Bagdá está dramática.

“O que é trágico é que temos um número significativo de estrangeiros e suprimentos em países ao redor do Iraque, muitas instituições prontas a atuar…mas há um clima de insegurança que torna qualquer atividade no Iraque extremamente precária,” disse.

David Wimhurst, porta-voz do Escritório das Nações Unidas para Coordenação Humanitária para o Iraque, disse em Amã na última sexta-feira (11) que a equipe militar que planejou a guerra fracassou na manutenção da ordem após a queda da autoridade central.

Parceria

Além disso, o comando norte-americano divulgou que oficiais norte-americanos e autoridades locais iraquianas estão trabalhando em conjunto para evitar a repetição do incidente em que soldados dos EUA mataram duas crianças num posto de fiscalização temendo um ataque suicida.

Um oficial do corpo de fuzileiros navais dos EUA disse na última sexta-feira (11), em Nassiriya, que soldados mataram, por engano, duas crianças quando o motorista do carro em que viajavam ignorou os avisos para parar num posto de controle perto da cidade, no sul do país.

“A van, com vidros escuros nas janelas, levava 15 civis para Basra e não observou o aviso para parar”, disse uma nota do Comando Central dos EUA divulgada neste sábado.

A nota disse que o comando norte-americano enviou equipes ao Iraque para auxiliar as autoridades locais e evitar incidentes semelhantes à medida que a ordem é restabelecida.

Soldados norte-americanos nos postos de controle ficaram tensos depois dos ataques suicidas que mataram e feriram soldados responsáveis pela fiscalização de veículos. Os soldados atiraram contra civis em vários incidentes.