Autoridades Iraquianas enviam uma carta em protesto à ONU

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 1 de abril de 2003 as 11:02, por: cdb

O governo do Iraque enviou uma carta de protesto às Nações Unidas para denunciar um ataque com mísseis que visou, na semana passada, a área de um mercado em Bagdá.

Segundo as autoridades iraquianas, 15 civis morreram na explosão, ocorrida no bairro de Shaab, na última quarta-feira. Autoridades norte-americanas insistem que as forças de coalizão não tiveram culpa no episódio.

Na carta, lida na televisão estatal do Iraque, o ministro do Exterior Naji Sabri classificou o incidente como “um crime contra a humanidade e todos os princípios”. “Essas incursões representam uma violação pura de todos os princípios da ONU, os quais proíbem qualquer um de atacar civis e espalhar o terror entre eles”, dize a carta.

O documento foi endereçado ao secretário-geral da ONU, Kofi Annan, que, segundo um porta-voz, ainda não o recebeu. Sabri informou que a carta exige que a ONU adote medidas para acabar com a campanha militar liderada pelos Estados Unidos.

“Essa é uma violação de todas as leis e todos os princípios juntos”, sustentou o chanceler iraquiano. “Esta agressão desafia as Nações Unidas e a comunidade internacional”.

O Comando Central dos Estados Unidos disse, na semana passada, que a explosão no mercado de Bagdá “pode jamais ser esclarecida”.

“Achamos ser inteiramente possível que isso (o bombardeio) tenha, na verdade, sido um míssil iraquiano que caiu ou, dado o comportamento do regime ultimamente, tenha sido um ataque deliberado de dentro da cidade”, declarou o general Vincent Brooks, um dos porta-vozes da coalizão.

Tanto iraquianos como norte-americanos trocam acusações mútuas também sobre violações da Convenção de Genebra, que determina que civis e prisioneiros de guerra sejam tratado de forma humana durante os conflitos.

A carta de Sabri diz que 420 iraquianos já morreram desde o início da guerra, no último dia 19, e que mais de 4.000 ficaram feridos. De seu lado, autoridades norte-americanas e britânicas alegam ter perdido 66 militares. O número de feridos não é conhecido.

O incidente de 26 de março foi o primeiro de dois bombardeios que atingiram mercados em Bagdá na mesma semana. Na última sexta-feira, segundo a TV iraquiana, mais de 50 pessoas morreram em um outro ataque. O Pentágono afirma que ambos os incidentes ainda estão sendo investigados.