Autor protesta contra cerceamento

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 12 de abril de 2011 as 16:15, por: cdb

Em entrevista à NaTelinha, coluna do UOL, o autor de “Amor e Revolução”, Tiago Santiago, considerou “despropositado” o pedido do grupo de militares e do site militar, de censura ao folhetim e a tentativa de até mesmo tirá-lo do ar (leiam post acima).

“Achei (o pedido de censura e de retirada do ar) despropositado, porque a novela é respeitosa com as Forças Armadas, mostrando herói militar e oficiais democratas, a favor da legalidade. Em diversos trechos da novela, há menções favoráveis a militares, evidenciando que nem todos participaram do golpe e da violenta repressão à oposição”, assinala Santiago.

“O argumento – prossegue o autor – de que a novela teria qualquer coisa a ver com o saneamento do Banco Panamericano também não procede. A proposta partiu de mim para o SBT e não vice-versa. Comecei os trabalhos antes de saber que havia qualquer problema com o Banco e antes de saber também que presidente Dilma Rousseff seria eleita.”

Para o autor de Amor e Revolução, querer tirá-la do ar é “uma iniciativa despropositada, que interessa apenas aos criminosos, torturadores e assassinos, que violaram as convenções de Genebra, nos chamados ’anos de chumbo’ da ditadura militar”.