Áustria reforça fiscalização na fronteira com a Hungria

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 16 de setembro de 2015 as 09:46, por: cdb

Por Redação, com DW – de Viena:

A Áustria reforçou a fiscalização em suas fronteiras com a Hungria nesta quarta-feira, enquanto as autoridades se esforçam para lidar com o “gargalo” criado pelo controle exercido pela Alemanha nos limites com o país vizinho.

As medidas, que entraram em vigor à meia-noite de terça-feira, foram implementadas em caráter temporário e de acordo com as regras da União Europeia, segundo as autoridades, e visam a “manutenção da ordem pública”.

Medida, em caráter temporário, visa "manter a ordem pública". País luta para lidar com "gargalo" criado na fronteira com a Alemanha
Medida, em caráter temporário, visa “manter a ordem pública”. País luta para lidar com “gargalo” criado na fronteira com a Alemanha

A Agência Austríaca de Imprensa (APA) relatou que entre 2,5 mil e 3 mil pessoas deixam diariamente o país rumo à Alemanha.

O vice-chanceler austríaco, Reinhold Mitterlehner, alertou sobre o acúmulo de refugiados na fronteira e explicou que os imigrantes poderão prosseguir em sua jornada, “ainda que não nas mesmas concentrações que vimos anteriormente”.

A ministra austríaca do Interior, Johanna Mikl-Leitner, disse que nenhum daqueles que fogem de guerras ou perseguições será devolvido à Hungria, apesar dos controles de fronteira. Ela afirmou que cidadãos da Síria e outros que estiverem em situação de risco poderão continuar a pedir asilo na Áustria ou prosseguir viagem até a Alemanha.

A polícia informou que, além dos três principais locais de travessia da Hungria para a Áustria, os controles poderão ser extendidos para 10 pontos de passagem, com veículos sendo verificados seletivamente nas estradas para a averiguação de passaportes e documentos de viagem.

Barrados pela Hungria

Após a implementação de novas leis anti-imigração na Hungria, que selaram a fronteira do país com a Sérvia, centenas de refugiados se dirigiram à Croácia nesta quarta-feira, abrindo uma nova vertente da crise migratória no continente.

Segundo relatos da imprensa sérvia, ao menos dez ônibus carregados de imigrantes deixaram a cidade de Presevo durante a noite em direção a Sid, na fronteira com a Croácia. O primeiro-ministro croata, Zoran Milanovic, afirmou que cerca de 150 imigrantes entraram no país durante a noite, vindos da Sérvia.

Segundo a polícia croata, os refugiados foram levados a um posto policial para serem registrados e receberem atendimento médico. Eles serão, então, transportados até centros de acolhimento próximos à capital, Zagreb, localizada a apenas 30 quilômetros da fronteira com a Eslovênia e do espaço Schengen.

Muitos esperam cruzar o território esloveno até a Áustria para chegar à Alemanha e a outros países no oeste e no norte da Europa. Milanovic declarou que o país irá permitir a passagem dos refugiados por seu território.

– A Croácia está pronta para receber ou direcionar essas pessoas para onde elas queiram ir, obviamente, para a Alemanha ou para os países escandinavos – declarou o premiê ao Parlamento croata. “Sua passagem pela Croácia será permitida e nós os ajudaremos, estamos nos preparando para essa possibilidade.”

Segundo relatos da imprensa sérvia, ao menos dez ônibus carregados de imigrantes deixaram a cidade de Presevo
Segundo relatos da imprensa sérvia, ao menos dez ônibus carregados de imigrantes deixaram a cidade de Presevo

Os centros de acolhimento na Croácia têm capacidade de abrigar cerca de 3 mil pessoas, número significativamente menor que a quantidade de refugiados que cruzam diariamente as fronteiras dos países dos Bálcãs, após chegar ao continente através da Grécia e da Turquia.

Após a confirmação da entrada das primeiras levas de refugiados no território croata, a presidente Kolinda Grabar-Kitarovic convocou uma reunião do Conselho de Segurança do país para lidar com a questão. “Como a crise migratória se torna mais complexa a cada dia, devo alertar sobre a onda de imigrantes e as possíveis consequências sociais, econômicas e de segurança”, afirmou.