Australiano feito refém é libertado na Nigéria

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 30 de novembro de 2003 as 15:21, por: cdb

Um funcionário australiano do setor de petróleo que ficou três dias como refém na Nigéria foi libertado hoje. Espera-se que outras seis pessoas, incluindo um britânico, sejam liberadas em breve, disseram autoridades.

Os sete homens, que trabalham para a empresa canadense ShawCor Ltd., foram capturados no sul do país rico em petróleo por militantes armados que exigiram resgate.

“O australiano foi libertado hoje”, disse uma porta-voz do ministério das Relações Exteriores à rádio Australian Broadcasting Corp, acrescentando que foi o único liberado até agora.

Ele foi libertado e andou até o acampamento do seu trabalho, perto do rio. Ele chegou cansado, mas em bom estado de espírito e sem ferimentos”, disse.

Fontes diplomáticas na Nigéria disseram ter esperanças que os outros estrangeiros, incluindo um britânico, colombianos e russos, sejam libertados em breve.

A porta-voz australiana disse que não sabia se foi pago resgate pela libertação do trabalhador australiano, mas fontes na Nigéria envolvidas nas negociações disseram que foi exigido resgate de US$ 72 mil dólares.

A região de Warri vive uma onda de sequestros de empregados de empresas de petróleo.

Os governos da Nigéria e de outros países condenaram publicamente o pagamento de resgate, mas a prática tornou-se comum a empresas que operam naquela região, onde se produz a maior parte do petróleo nigeriano.

A região testemunha um crescimento da violência desde março, quando jovens Ijaw lançaram uma rebelião armada contra etnias rivais, forças de segurança e multinacionais de petróleo.

Comunidades locais acusam empresas de petróleo e governos por não receberem nada, a não ser poluição, do produto retirado de suas terras.

A Nigéria – sétimo maior exportador de petróleo do mundo – enviou 3 mil policiais, soldados e tropas de infantaria para a região de Warri em setembro, onde os conflitos étnicos deixaram quase 100 mortos. Um funcionário australiano do setor de petróleo que ficou três dias como refém na Nigéria foi libertado hoje. Espera-se que outras seis pessoas, incluindo um britânico, sejam liberadas em breve, disseram autoridades.

Os sete homens, que trabalham para a empresa canadense ShawCor Ltd., foram capturados no sul do país rico em petróleo por militantes armados que exigiram resgate.

“O australiano foi libertado neste domingo”, disse uma porta-voz do ministério das Relações Exteriores à rádio Australian Broadcasting Corp, acrescentando que foi o único liberado até agora.

“Ele foi libertado e andou até o acampamento do seu trabalho, perto do rio. Ele chegou cansado, mas em bom estado de espírito e sem ferimentos”, disse.

Fontes diplomáticas na Nigéria disseram ter esperanças que os outros estrangeiros, incluindo um britânico, colombianos e russos, sejam libertados em breve.

A porta-voz australiana disse que não sabia se foi pago resgate pela libertação do trabalhador australiano, mas fontes na Nigéria envolvidas nas negociações disseram que foi exigido resgate de US$ 72 mil dólares.

A região de Warri vive uma onda de sequestros de empregados de empresas de petróleo.

Os governos da Nigéria e de outros países condenaram publicamente o pagamento de resgate, mas a prática tornou-se comum a empresas que operam naquela região, onde se produz a maior parte do petróleo nigeriano.

A região testemunha um crescimento da violência desde março, quando jovens Ijaw lançaram uma rebelião armada contra etnias rivais, forças de segurança e multinacionais de petróleo.

Comunidades locais acusam empresas de petróleo e governos por não receberem nada, a não ser poluição, do produto retirado de suas terras.

A Nigéria – sétimo maior exportador de petróleo do mundo – enviou 3 mil policiais, soldados e tropas de infantaria para a região de Warri em setembro, onde os conflitos étnicos deixaram quase 100 mortos.