Austrália quer enviar equipes anterrorismo ao Sudeste asiático

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 20 de setembro de 2004 as 10:03, por: cdb

A Austrália quer manter equipes de combate ao terrorismo no Sudeste Asiático, incluindo na Indonésia e nas Filipinas, disse o governo nesta segunda-feira ao anunciar seu plano de segurança para a eleição geral de 9 de outubro.

O Partido Trabalhista, de oposição, prometeu gastar 260 milhões de dólares para fortalecer a defesa da Austrália. Os dois partidos debatem a melhor maneira de conduzir a guerra ao terrorismo.

O primeiro-ministro John Howard, do governo conservador que está na frente nas pesquisas de opinião, disse que duas equipes da polícia australiana vão combater o terror na fonte e evitar que ele chegue à Austrália.

– Não vamos esperar que ameaça terrorista se realize antes que atuemos – disse Howard a repórteres.

Ele afirmou que seu provavelmente incluirá o envio de equipes de 10 policiais para a Indonésia e as Filipinas.

– Se você estiver lá e trabalhar mais com os locais, você terá uma capacidade bem maior de chegar à prevenção de um ataque – explicou Howard.

O plano teve uma resposta apenas morna das Filipinas, que afirmou que, devido a tratados já existentes, as equipes não poderão ir além de coleta de inteligência e de detalhes técnicos.

-Acredito que o acordo com a Austrália não pede qualquer operação conjunta. Vamos nos manter fiéis a nosso acordo – disse Ignacio Bunye, porta-voz do governo em Manila.

Outras equipes ficarão na Austrália para mobilização rápida com base em relatórios de inteligência ou pedidos da polícia dos países vizinhos, disse Howard na cidade de Darwin, que fica mais perto da Indonésia do que de Canberra, a capital australiana.

A Austrália não sofreu nenhum grande ataque em seu território, mas 88 australianos estavam entre os 202 mortos nas explosões em boates da ilha de Bali em 2002, atribuídas ao grupo Jemaah Islamiah, ligado à Al Qaeda.