Ativistas LGBT marcam protesto em frente à embaixada russa

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 18 de abril de 2012 as 07:44, por: cdb

Várias organizações LGBT, feministas e de direitos humanos vão protestar este sábado às 13h em frente à embaixada da Federação Russa contra a aprovação da lei Anti-Propaganda Homossexual e pela libertação de três jovens da banda punk feminista Pussy Riot.Artigo |18 Abril, 2012 – 14:39As leis que censuram a homossexualidade na Rússia têm motivado protestos por toda a Europa. Agora, chegou a vez de Lisboa. Foto Certi Diritti/Flickr

Os promotores do protesto dizem-se “extremamente preocupados com a lei Anti-Propaganda Homossexual aprovada e em vigor nas cidades de São Petersburgo, Arkhangelsk e Kostroma”, que acusam de “criminalizar a divulgação de mensagens que promovam os direitos LGBT punindo com multas quem as emitir ou propagar”. No fim de março, uma versão semelhante desta lei deu entrada no parlamento da Federação Russa e a ser aprovada “colocará em risco não só os direitos de todas as pessoas LGBT mas também de todos os defensores dos direitos humanos”.

Apesar de esta lei não prever a pena de prisão, os ativistas recordam que no passado dia 8 de Abril “Sergey Kondrashov foi preso por segurar um cartaz que dizia ‘Uma querida amiga da família é lésbica. Minha esposa e eu a amamos e a respeitamos. E sua família é exatamente igual a nossa'”, dizem na carta aberta que convoca a concentração de sábado nas redes sociais para exigir “a imediata suspensão da lei Anti-Propaganda Homossexual e o efetivo cumprimento dos tratados internacionais por parte das autoridades russa”.

Outro caso em destaque nas últimas semanas na Rússia e que os ativistas portugueses pretendem denunciar é o da detenção das três mulheres que compõem a banda punk “Pussy Riot”. A carta aberta diz que Maria Alekhina e Nadezhda Tolokonnikova e Ekaterina Samucevich foram presas “por conduta desordeira e hooliganismo depois de terem cantado numa catedral um hino anti-Putin”, estando agora na iminência de uma condenação que pode chegar aos sete anos de prisão, com a Amnistia Internacional a pedir a libertação imediata das três artistas com julgamento marcado para esta quinta-feira.

“Consideramos inadmissível a violação dos direitos LGBT, a recusa em proteger as minorias sexuais e o ataque à liberdade de expressão que está a ser promovido pelas autoridades políticas e pela Igreja Ortodoxa russas”, dizem os ativistas portugueses que se irão juntar no sábado às 13h em frente à embaixada situada na Rua Visconde de Santarém, 59 (ao Arco do Cego).

O protesto é convocado por cidadãs e cidadãos em nome individual e por diversas associações e coletivos como a AMPLOS – Associação de Mães e Pais pela Liberdade de Orientação Sexual, Clube Safo, Comunidária, Caleidoscópio LGBT, Ciclobollos Dykes On Bikes, Marcha Mundial de Mulheres, Grupo Português de Activistas sobre Tratamentos de VIH/SIDA, Grupo Transsexual Portugal, não te prives, Opus Gay, Panteras Rosas, Plataforma Anti-Transfobia e Homofobia, PortugalGay.pt, Secção de Defesa dos Direitos Humanos da Associação Académica de Coimbra, SlutWalk Lisboa, SOS Racismo e UMAR.