Ativistas anti-Hollywood tentam ofuscar Festival de Veneza

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 6 de setembro de 2004 as 16:27, por: cdb

Enquanto estrelas bebericam martinis à beira da piscina, na praia centenas de ativistas estão montando um ‘acampamento’ para protestar contra as produções blockbusters de Hollywood e o alto preço dos ingressos no Festival.

A multidão, vestindo camisetas e chinelos de dedo, irrompeu duas vezes no carpete vermelho, marchou nas principais ruas de Veneza em protestos antiguerra e, no domingo, ocupou o terraço exclusivo do Hotel Excelsior, onde atores vão para ver e ser vistos.

“Essa foi nossa obra-prima, nossa maior conquista até agora”, disse Luca Casarini, um ativista antiglobalização e um dos organizadores do movimento antifestival, chamado “Praia Global”.

Os paparazzi podem estar se amontoando para conseguir imagens de Al Pacino e Nicole Kidman, mas os hóspedes de honra na “Praia Global” são o diretor norte-americano Tim Robbins e a ícone da antiglobalização Naomi Klein –ambos na cidade para apresentar seus documentários.

“Não poderia vir aqui só pela… cultura rarefeita da fama”, disse Klein, cujo documentário “The Take”, sobre condições de trabalho na Argentina, emocionou o público.

“É sempre importante transgredir, é aqui que estão nossas raízes”, disse a autora de “Sem Logo — A Tirania das Marcas em um Planeta Vendido”.

Os ativistas se apossaram de uma faixa de areia com cabanas abandonadas que um dia formavam o local onde a polícia e seus familiares se reuniam.

Eles montaram um enorme telão na praia para exibir filmes alternativos, ajeitaram um espaço para acampar e armaram uma cozinha a céu aberto, que agora oferece pizzas a 5 euros, comparadas aos croissants de 5 euros oferecidos pelo Hotel Excelsior.

Mais de 100 estudantes e ativistas de todas as idades montaram barracas no local e muitos outros devem aparecer para as exibições, os debates e as festas.

“A cultura pertence a todos. Eles estão fazendo negócio com filmes como ‘The Teminal”‘, disse Luca Trivellato, 23, um fã de cinema de Milão.

“Estamos mostrando que podemos agarrar a iniciativa na cultura assim como podemos nos apoderar da praia.”

Se seguirem suas ameaças, a “Praia Global” vai rolar pelo carpete vermelho algumas outras vezes.