Atitude de milionário sueco foi questionada pelo Sunday Times

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 5 de junho de 2007 as 11:33, por: cdb

Em 15 de abril, o Sunday Times noticiou que o milionário sueco Johan Eliasch comprou uma área de 1,6 mil quilômetros quadrados em Itacoatiara, no Estado do Amazonas, que pertencia a uma madeireira norte-americana.

O empresário gastou 13,7 milhões de libras (cerca de R$ 55,3 milhões) em sua empreitada. Sua fortuna é estimada em 361 milhões de libras (cerca de R$ 1,5 bilhão).

Radicado na Grã-Bretanha e dono da fábrica de artigos esportivos Head, Eliasch disse que fechou o negócio para ajudar a preservar a floresta.

Segundo o jornal, como resultado da compra da madeireira até mil pessoas empregadas por uma serraria obrigada a fechar ficaram sem trabalho, “aumentando ainda mais as dificuldades numa região já economicamente carente”.

Sustento

“O fechamento jogou Eliasch em um debate sobre como os países ricos podem preservar as florestas tropicais levando em consideração o sustento das pessoas que vivem e trabalham nelas”, observa a reportagem.

O jornal disse que até mesmo ambientalistas locais vêm criticando as ações de Eliasch, acusando-o de “colonialismo verde”.

Na época, a reportagem afirma que Eliasch prometeu compensar as pessoas que ficaram sem trabalho e empregar algumas delas como guardas florestais, mas afirmou que a preservação da floresta “é mais importante do que as pessoas morando na região”.

O jornal concluiu dizendo que Eliasch propôs no ano passado a compra de toda a Floresta Amazônica para preservá-la, o que provocou um incidente diplomático entre o Brasil e a Grã-Bretanha quando a idéia foi encampada pelo ministro do Meio Ambiente da Grã-Bretanha, David Miliband, que sugeriu estabelecer uma fundação internacional como a melhor forma de preservar a Amazônia.