Aterro sanitário de Cubatão vai fechar

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 8 de maio de 2003 as 02:54, por: cdb

Após 20 anos de uso, já bem próximo do limite de saturação e diante do risco de provocar no futuro grave dano ambiental, será fechado no próximo dia 15 de junho o aterro sanitário de Cubatão (SP).

A cidade produz 80 toneladas de lixo por dia e passarão a ser levadas para outro município. A prefeitura já abriu licitação para a aprovação da empresa que irá transportar esse lixo.

No ano passado, o aterro de Cubatão chegou até mesmo a receber lixo tóxico de uma das indústrias do município.

O fechamento do aterro é decorrência da constatação, pela Cetesb (agência ambiental paulista), de fissuras nas células que acumulam os detritos, um indicativo de movimentação do solo, segundo os técnicos da companhia.

– Lançar mais resíduos sem um estudo geológico é muito arriscado. Pode gerar um desbarrancamento dos taludes – afirmou o engenheiro Jorge Moya Diez, gerente regional da Cetesb.

O secretário municipal do Meio Ambiente de Cubatão, Eduardo Silveira Bello, disse que a prefeitura gasta R$ 340 mil mensais para coletar o lixo da cidade e depositá-lo no aterro. O principal critério para escolha das empresas vencedoras da licitação será o de menor preço.

Segundo Bello, o município encaminhou à Agem (Agência Metropolitana da Baixada Santista), uma proposta para adoção do processo de carbonização, pelas nove cidades da região, é uma possível solução para todo esse lixo.

Pelo processo, o lixo prensado teria a água extraída e seria queimado a uma temperatura de 1.700ºC, de modo a ser transformado em carvão.

– Esse equipamento é usado na Europa e é aprovado pela Cetesb. Não ficam resíduos aéreos nem sólidos. Poderíamos deixar de utilizar aterros – disse. Pelo menos uma empresa, subsidiária de um grupo alemão, já opera no Brasil com o sistema.