Atentado suicida na Chechênia causa a morte de 30 pessoas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 14 de maio de 2003 as 15:08, por: cdb

Um novo atentado suicida, praticado ao que parece por uma mulher camicaze, e que causou entre 14 e 30 mortos, segundo as primeiras informações, abalou a Chechênia dois dias depois que um caminhão-bomba causou 59 mortos na república caucásica.

O número de 30 mortos e 150 feridos, entre eles 50 em estado grave, foi fornecido pelo ministro checheno de Situações de Emergência, Ruslan Avtaev, citado pela agência Itar-Tass.

Funcionários do ministério de Situações de Emergência prestaram os primeiros socorros às vítimas da explosão, registrada por volta das 15H00 locais (11H00 GMT), em Ilasjan-Iurt, na região de Gudermes, a 45 quilômetros a leste de Grozny.

A mulher queria, ao que parece, matar o chefe da administração pró-russa da Chechênia, Ajmad Kadyrov, que participava de uma festa religiosa muçulmana na presença de milhares de fiéis.

Segundo a agência Itar Tass, quatro guarda-costas de Kadyrov morreram quando a mulher detonou um cinturão de explosivos que levava junto ao corpo, quando tentava chegar a uma plataforma onde estava Kadyrov – a quem os separatistas consideram um traidor. Ele já foi alvo de vários atentados, saindo ileso de todos eles, mas quatro de seus guarda-costas morreram, segundo policiais citados pelos meios de comunicação russos.

A explosão provocou uma grande confusão e deu lugar a informações desencontradas sobre o número de vítimas e sobre o número de mulheres camicazes que participaram dos atentados, uma ou duas segundo as fontes.

Segundo o promotor da Chechênia Vladimir Kravtchenko, encarregado da investigação, a camicaze poderia ser uma mulher viúva que nasceu em 1957, Chajida Baimuradova, originária da região de Gudermes. Seu marido foi abatido a tiros há alguns anos.

No ministério checheno do Interior, uma fonte citada pela Interfax anunciou que Baimuradova pertencia a uma unidade dirigida pelo chefe dos separatistas radicais Chamil Bassayev.

Os serviços especiais russos (FSB) se referiram a uma “pista estrangeira” neste novo atentado.

– Não excluímos a possibilidade de que o atentado na região de Gudermes responda a uma “encomenda” das organizações terroristas internacionais, os Irmãos Muçulmanos da (rede terrorista) Al-Qaeda -, segundo um porta-voz do FSB citado pela agência Ria-Novosti.

Segundo esta fonte, os organizadores do atentado poderiam ser “os chefes dos fundamentalistas islâmicos ativos no território da Chechênia”.