Ataques turcos matam militantes do EI em Aleppo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 30 de maio de 2016 as 11:42, por: cdb

Kilis foi atingida por foguetes de territórios controlados pelo Estado Islâmico mais de 70 vezes desde janeiro, matando 21 pessoas

Por Redação, com agências internacionais – de Istambul/Genebra:

O Exército da Turquia matou pelo menos 28 militantes do Estado Islâmico em ataques ao norte da cidade síria de Aleppo no domingo, em retaliação pelos ataques mais recentes contra uma cidade fronteiriça turca, disse a rede CNN Turk, citando um comunicado militar.

O ataque atingiu 58 alvos do Estado Islâmico com artilharia e lança-foguetes, relatou a CNN Turk nesta segunda-feira.

O ataque atingiu 58 alvos do Estado Islâmico com artilharia e lança-foguetes
O ataque atingiu 58 alvos do Estado Islâmico com artilharia e lança-foguetes

O jornal Sabah, pró-governo, relatou que cinco pessoas ficaram feridas na última sexta-feira quando foguetes lançados de território controlado pelo Estado Islâmico no norte da Síria atingiram a província turca de Kilis, a cerca de 60 quilômetros de Aleppo.

Kilis foi atingida por foguetes de territórios controlados pelo Estado Islâmico mais de 70 vezes desde janeiro, matando 21 pessoas, incluindo crianças, no que autoridades da segurança descrevem como uma mudança de explosões acidentais para alvos deliberados.

Negociações sobre a Síria

A demissão do representante do Supremo Comité de Negociações (SCN) da oposição síria, Muhammad Alush, levará a nova protelação das negociações sobre a Síria em Genebra, acredita a analista Elena Suponina, da Universidade Russa de Pesquisas Estratégicas.

Anteriormente, o gabinete de Alush tinha divulgado a informação sobre a sua intenção de deixar o posto em sinal de protesto pelo fracasso das negociações e das intenções da comunidade internacional de encontrar uma solução política e estabelecer a paz na Síria.

Nesta segunda-feira o representante oficial do SCN, Riyad Naasan Aga, tinha comunicado à agência RIA Novosti que, até o momento, a delegação não tinha conseguido eleger um novo representante oficial.

A anterior rodada de negociações de paz na Síria terminou em Genebra em abril. O enviado especial da ONU, Staffan de Mistura, não conseguiu organizar negociações diretas entre as partes. Além disso, o SCN tinha saído do processo, acusando o governo da Síria de não observar os acordos internacionais e o regime de cessar-fogo. Segundo ele, a nova rodada pode começar já no início de junho.

Elena Suponina faz lembrar que a posição da delegação da oposição síria, formada em Riade, inicialmente era contra as negociações em Genebra. Segundo a analista, este grupo de oposição acordou em participar das negociações “só sob forte pressão por parte dos intermediários internacionais, incluindo a Rússia”.

– Não é de admirar que eles tenham aproveitado o novo pretexto para provocar o fracasso das negociações. É certo que  a demissão de Alush não é proveitosa para as conversas em Genebra. O seu reinício fica agora sob questão. Ao que sei, o representante especial do secretário-geral da ONU, Staffan de Mistura, tinha examinado certas datas de reinício das negociações e se acreditava que estas iriam ser realizadas duas semanas mais tarde. Agora é claro que não vão ser realizadas até o fim da festa religiosa muçulmana do Ramadão, quer dizer, até 10 de junho e, após a essa demissão, será discutida uma nova protelação das negociações – disse Suponina à RIA Novosti.

Entretanto, ela não excluiu que estes acontecimentos possam ser orquestrados pela Arábia Saudita e Turquia.