Ataques produzem recessão iminente na economia norte-americana

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 14 de setembro de 2001 as 12:18, por: cdb

Citando novos números que sugerem que a economia inclinava-se para uma recessão até mesmo antes dos ataques terroristas de terça-feira, economistas afirmaram na quinta-feira que seus efeitos provavelmente encerrarão a década histórica decrescimento que começou há quase uma década.

Embora muitos americanos estejam lentamente retornando ao trabalho e aos padrões normais de compras, os vendedores de carros afirmam que seus pátios estão vazios, agentes imobiliários dizem que as vendas caíram e executivos afirmaram que as corporações adiaram praticamente todas as decisões importantes.

“A incerteza dos ataques e a incerteza de como iremos respondê-los irá pesar muito na consciência dos consumidores”, disse Eric Wittenberg, presidente da McStain Enterprises, uma construtora independente no Colorado. “Estamos esperando um ambiente com consumidores mais cauteloso”.

Numa tentativa de impulsionar a economia e evitar um rápido declínio econômico, o governo analisou uma variedade de opções na quinta-feira, com o Congresso discutindo novos gastos e reduções fiscais e nova pressão sobre o Federal Reserve (banco central dos EUA) para baixar as taxas de juros mais uma vez.

Os números publicados nesta quinta-feira mostram que a segurança do consumidor já estava diminuindo na semana passada, quando ficou claro o aumento nos níveis de desemprego em agosto. E ainda havia indicações de que as pessoas continuavam a ser dispensadas numa taxa maior do que a esperada para o início deste mês.

Combinados com os dados anteriores, que sugeriam que agosto havia sido um mês economicamente pior do que o esperado pelos analistas, os novos números referentes, à primeira semana de setembro, indicam que a economia entrou em um perigoso terreno na terça-feira, deixando-a muito vulnerável às caóticas conseqüências dos ataques ao World Trade Center e ao Pentágono.

“A economia lutava duramente para manter sua cabeça acima d’água antes deste evento”, disse Carl Tannenbaum, economista da LaSalle Bank/ABN Amro, que estava no lobby de um hotel próximo às torres do World Trade Center durante os ataques.

Janet Yellen, antiga diretora do Fed, disse que agora a grande questão para a economia é se os consumidores “ficarão sentados em frente a TV, sentindo que a vida se tornou incerta e que na é uma boa época para se comprar um carro ou um refrigerador”.

“Se decidirem fazer isso”, disse ela, “seremos atirados à recessão”.