Ataques coordenados matam 12 em Israel

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 31 de agosto de 2004 as 10:30, por: cdb

Pelo menos 12 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas em duas explosões, ocorridas num intervalo de minutos, em dois ônibus circulares na cidade de Beersheba, no Sul do Israel, nesta terça-feira (horário local). Os ataques aparentemente foram uma ação coordenada de homens-bomba.

Até o momento, nenhuma organização assumiu a autoria dos ataques, mas fontes palestinas disseram que as explosões foram ataques suicidas, informou a rede de TV do grupo libanês Hezbollah, al-Manar. A TV afirmou que fontes falaram diretamente com ela, mas não quis dar outros detalhes.

Os números de feridos ainda são preliminares. Mas, segundo as autoridades israelense, 48 pessoas ficaram feridas, 20 delas em estado grave. A rede CNN disse que 50 pessoas ficaram feridas.

A Rádio Israel chegou a informar sobre uma terceira explosão perto da entrada do principal shopping center da cidade, minutos depois dos ataques aos ônibus. Mas o diretor local da Estrela Vermelha de David, o equivalente judaico da Cruz Vermelha, negou a ocorrência de uma terceira explosão na cidade.

De acordo com autoridades locais, as explosões aconteceram dentro os ônibus que circulavam o centro da cidade por volta das 14h50m (horário local), quando os veículos se encontravam perto da prefeitura.

Os atentados aconteceram horas depois de soldados israelenses terem detido em um terminal na fronteira com a Faixa de Gaza, um homem-bomba que levava um cinto de explosivos escondido em sua roupa íntima.

– Perto das 5h (23h de segunda-feira em Brasília), um homem-bomba chegou na área de inspeção da Passagem de Erez. Um soldado avistou-o, ele foi isolado e seu cinto de explosivo foi retirado – disse uma porta-voz militar em Jerusalém.

Segundo ela, o cinto é diferente de qualquer outro que o Exército tenha visto antes, porque foi “costurado para lembrar roupas íntimas”.

Nenhum grupo militante palestino assumiu envolvimento com o incidente de Erez, onde trabalhadores de Gaza cruzam para entrar em Israel todas as manhãs.