Ataque israelense em Gaza mata 1 e fere 20

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 26 de agosto de 2003 as 15:51, por: cdb

Helicópteros de Israel lançaram na terça-feira três ou quatro mísseis no campo de refugiados de Jabalaya, na Faixa de Gaza, matando pelo menos uma pessoa e ferindo 20. O alvo da ação era um militante do braço armado do grupo Hamas, que estava em um carro e sobreviveu. Segundo testemunhas, a vítima fatal foi um transeunte idoso.

Minutos depois do bombardeio, jovens palestinos subiram na capota de um velho Renault branco fazendo o V da vitória com os dedos e gritando palavras de ordem contra Israel. Uma multidão irada se reuniu em volta do hospital onde os feridos foram atendidos.

Há poucos dias, Israel matou um líder do Hamas e outros quatro militantes do grupo em resposta ao atentado suicida da semana passada que fez 21 vítimas fatais em um ônibus de Jerusalém. Os incidentes marcaram o fim da trégua na região.

Israel diz que vai continuar caçando os líderes do Hamas, vários dos quais estão escondidos por causa das ameaças. O Hamas prometeu vingar as agressões.

O comandante do Exército de Israel, general Moshe Yalon, disse que os líderes dos grupos militantes vão ser “liquidados” por terem cancelado a trégua na semana passada, em resposta à morte de Ali Abu Shanab, um dos líderes do Hamas, logo depois do atentado contra o ônibus em Jerusalém.

Horas antes, na terça-feira, tropas israelenses retiraram dois militantes feridos do Hamas dos leitos hospitalares que eles ocupavam em Nablus, na Cisjordânia. Alguns soldados à paisana entraram no hospital, seguidos por outros militares que traziam cães. Segundo funcionários do hospital, um dos militantes retirados respirava por aparelhos.

Fontes militares disseram que a dupla era procurada por participação em um atentado de 12 de agosto, que feriu um israelense. Ambos estavam conscientes e foram levados para um hospital de Israel, segundo essas fontes.

Os dois ficaram feridos no tiroteio ocorrido na semana passada, quando tropas israelenses cercaram o hospital Rafidiya, em Nablus, depois de descobrir que três militantes procurados haviam se refugiado ali. O terceiro militante morreu no tiroteio.

Todos eles pertenciam às Brigadas dos Mártires de Al Aqsa, braço armado da facção Fatah, do presidente Yasser Arafat. O primeiro-ministro reformista Mahmoud Abbas, que disputa com Arafat o controle sobre as forças de segurança, convocou uma reunião do Parlamento para a próxima semana a fim de discutir o futuro do seu governo.

Visto com simpatia pelos Estados Unidos, Abbas foi politicamente prejudicado pelo fim da trégua mediada por ele. Uma fonte palestina disse que a sessão do Parlamento pode dar um voto de confiança em Abbas, o que daria a ele oportunidade de reunir mais apoio contra Arafat.