Assembleia discute monitoramento de máquinas a combustível

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010 as 12:05, por: cdb

Ambientes fechados, nos quais sejam operados motores movidos a álcool, gasolina ou óleo diesel terão a qualidade do ar monitorada. É o que pretende o deputado Fernando Gusmão (PC do B), autor do projeto 492-A/07, que a Assembleia Legislativa do Rio votará nesta quarta-feira (10/02), em segunda discussão.

“A inalação de monóxido de carbono pelo ser humano produz reação bioquímica no organismo, onde haverá mais facilmente ligações da hemoglobina com o gás em detrimento do oxigênio, diminuindo sua concentração sanguínea e podendo causar letargia, desmaios e mesmo a morte a quem frequenta o ambiente poluído que funciona como verdadeira câmara de gás”, acentua o parlamentar na justificativa.

O monitoramento deverá ser feito por empresas qualificadas e credenciadas pela autoridade competente, seguindo as regras do texto, que especifica que, em ambientes de 3 a 5 mil metros quadrados, sejam coletadas oito amostras; de cinco a 10 mil metros quadrados, 12; de 10 a 15 mil metros quadrados, 15 amostras, e assim por diante, até o limite máximo de 25 amostras para ambientes com mais de 30 mil metros quadrados.

A coleta deverá ser semestral em qualquer lugar com pouca ventilação onde ocorra o acúmulo de gases de combustão.

“A saúde dos usuários e principalmente de quem trabalha nestes ambientes insalubres estará correndo sérios riscos caso não haja um monitoramento rigoroso”, garante o parlamentar.