Assassinato de executivo continua um mistério

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 2 de dezembro de 2003 as 09:41, por: cdb

A família de Zera Todd Staheli alto executivo da Shell assassinado dentro de casa no domingo, chegou hoje pela manhã ao Rio em um jato fretado pela empresa. A morte de Staheli continua um mistério, a policia passou a noite na casa do executivo, na Barra da Tijuca, em busca de novos indícios.
 
Segundo a polícia, existem diversas hipóteses para o assassinato, mas a principal delas é que Staheli teria sido assassinado por causa de problemas no trabalho. A quebra do sigilo telefônico do executivo foi pedido para descobrir existe alguma ligação que possa levar aos autores do crime. A policia já sabe que na semana passada Staheli discutiu por telefone com alguém na Inglaterra.
 
Na segunda-feira, mergulhadores vasculharam a Lagoa da Tijuca, que fica a trás do condomínio onde morava o executivo, em busca da arma usada no crime, que ainda não foi identificada, a principal suspeita é que seja uma machadinha. Nada foi encontrado. A polícia trabalha com a hipótese de que essa lagoa foi utilizada como rota de fuga dos assassinos, já que não existe nenhum tipo de vigilância na área.
 
O secretário Estadual de Segurança Pública, Anthony Garotinho, o trabalho realizado pelos peritos na casa e no quarto onde o corpo foi encontrado, não constatou qualquer anormalidade. Num primeiro levantamento feito no domingo, não foram encontradas marcas de arrombamento na casa e não houve roubo. Em depoimento da filha mais velha do casal disse que não ouviu nada durante a noite. Essas informações levam a policia a crer que o assassinato foi feito por profissionais. As investigações também apontam que o crime foi realizado por pelo menos duas pessoas.
 
O estado da saúde da mulher do executivo, Michelle, de 34 anos, que também foi ferida no domingo, continua gravíssimo. Ela foi achada junto com ele, bastante ferida, e está internada no Copa D’Or.