Aspirina pode prevenir câncer intestinal, diz estudo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 14 de maio de 2007 as 17:54, por: cdb

A ingestão diária de aspirina pode prevenir o câncer de intestino, segundo uma pesquisa da Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha. Segundo os autores do estudo, publicado na revista médica The Lancet, uma dose de 300 mg por dia, durante cinco anos, se mostrou suficiente para reduzir o risco da doença em 74% nos dez a 15 anos subseqüentes.

O uso prolongado da aspirina geralmente não é recomendado por causa do risco de problemas estomacais, mas os cientistas defendem que o medicamento pode ajudar as pessoas com alto risco de desenvolver o câncer de instestino.

– Indivíduos que tiveram alguém na família com a doença não vão ser prejudicados se tomarem aspirina -, disse Peter Rothwell, o chefe da equipe de pesquisadores.

– Eles podem até apresentar sangramento estomacal, mas vão se beneficiar mais com a redução do risco de câncer -, completou.

Os cientistas analisaram os resultados de dois grandes testes realizados na Grã-Bretanha, entre os anos 70 e 80. Esses testes envolveram mais de 7,5 mil voluntários, que receberam diferentes doses diárias de aspirina ou um placebo durante cinco a sete anos.

Os voluntários foram então acompanhados por até 20 anos, e as mortes por câncer intestinal também eram registradas.

Segundo a equipe de Oxford, são necessários pelo menos dez anos para observar o efeito da aspirina, pois este é o tempo que leva para que formações pré-cancerígenas se desenvolvam em câncer.

Os pesquisadores descobriram ainda que o efeito protetor da aspirina é consistente, independentemente da idade, do sexo ou da origem étnica do paciente. A cada ano, cerca de 35 mil pessoas são diagnosticadas com a doença na Grã-Bretanha, e outras 16 mil morrem em decorrência dela.

Por isso, entidades que trabalham na luta contra o câncer elogiaram a pesquisa da Universidade de Oxford.