As razões de fundo da visita do Papa

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 13 de maio de 2007 as 11:52, por: cdb

O cardeal Joseph Ratzinger já esteve no Brasil por duas vezes (em 1985, logo após ter punido o teólogo Leonardo Boff, e em 1990, para ministrar um curso na tradicional diocese do Rio de Janeiro), mas esta é a primeira visita que faz como Papa Bento XVI, Sumo Pontífice da Igreja Católica. Pela generosa e peculiar religiosidade do povo brasileiro, que torna este país a maior nação católica do mundo, a visita tem grande significado e merece todo o respeito – inclusive dos não-católicos. Mas é preciso ir além das aparências para entender as razões de fundo da viagem. Ela não se dá apenas pelo nobre objetivo de canonizar Frei Galvão ou para participar da quinta conferência episcopal latino-americana (Celam), em Aparecida (SP).

A visita tem motivos bem mais complexos e controversos. Expressa a preocupação da igreja com a perda de fiéis. Segundo pesquisa do Datafolha, nos últimos dez anos houve uma redução de 75% para 64% da população católica e hoje a maioria dos brasileiros, incluindo os católicos, não segue vários preceitos do Vaticano, como o da virgindade, da proibição do segundo casamento e do uso da camisinha. Tem ainda o nítido intento de enquadrar os setores progressistas da igreja brasileira, respeitados mundialmente por sua “opção pelos pobres” e pela inovadora “teologia da libertação”. Além disso, como o próprio papa revelou na sua primeira fala em solo nacional, ela visa ditar “normas morais” ao povo e ao governo brasileiros.

Temores diante do “êxodo católico”

Diante do chamado “êxodo católico” e do crescimento acelerado das seitas neo-pentecostais, o Vaticano prega hoje uma igreja mais confessional e voltada para os rígidos dogmas católicos e menos envolvida nas questões sociais. A própria canonização de Frei Galvão, o primeiro santo genuinamente brasileiro (contra 626 italianos, 576 franceses e 102 alemães), serviria a este intento. Mas para o teólogo Leonardo Boff, essa guinada conservadora não “sustará a sangria no corpo católico… A causa principal da saída dos católicos é a falta de inovação no seio da igreja, é a rigidez dogmática de seus ensinamentos, é a falta de bom senso nas questões da moral e da sexualidade, onde ela mostra um rosto cruel e sem piedade”.

Dom Demétrio Valentini, bispo de Jales (SP), reforça ainda mais as críticas. “A Igreja Católica está sendo posta à prova. Ela demorou muito a se dar conta dos problemas a sua volta, porque era o único referencial que existia no plano religioso no país. Agora o contexto mudou muito”. Para ele, a igreja padece de dois graves problemas, que explicam a perda de fiéis. “Ela é pesada, não tem agilidade para se sintonizar com os contextos novos, e continua com uma estrutura ultrapassada, como se o Brasil fosse um país rural. Ela precisa admitir a diversidade em um mundo plural… Mas a Igreja tem medo de admitir a diversidade”. 

Cruzada contra a teologia da libertação

Essa opção explica o segundo motivo da viagem: o enquadramento dos setores progressistas. As posições ultra-conservadoras de Joseph Ratzinger já são bem conhecidas. Antes de se tornar papa, como prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, o outrora temido Tribunal da Inquisição, ele comandou a cruzada contra a teologia da libertação na América Latina, que nasceu na conferência de Medelin (Colômbia), em 1968, e floresceu na conferência de Puebla (México), em 1979. Em setembro de 1984, o então chefe do Santo Ofício dirigiu o interrogatório que resultou na condenação de Leonardo Boff a um ano de “silêncio obsequioso”, sendo proibido de dar entrevistas, proferir aulas, publicar livros e dirigir a Editora Vozes.

Naquela ocasião, sentado na mesma cadeira em que Galileu Galilei foi punido 400 anos antes, o brasileiro ouviu do cardeal alemão a dura sentença: “Eu conheço o Brasil, aquilo que vocês fazem nas Comunidades Eclesiais de Base não é verdade, o Brasil não tem a pobreza que vocês imaginam, isso é a construção da leitura