Artistas contra a guerra são boicotados nos EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 19 de março de 2003 as 20:47, por: cdb

Um jornal americano lançou nesta quarta-feira uma campanha de patrulhamento a atores e músicos americanos contrários à guerra no Iraque.

O tablóide nova-iorquino New York Post publicou na sua edição desta quarta-feira um texto em que pede o boicote a uma lista de estrelas do cinema e da música. O jornal chama os artistas, entre os quais estão Martin Sheen, Danny Glover e Susan Sarandon, de “amantes de Saddam”.

O texto informa quais são as atrações em que se pode ver os atores pacifistas e pede explicitamente o boicote aos programas e filmes “das estrelas que se opõem à libertação do Iraque do assassino de massas Saddam Hussein e seus comparsas violadores”.

Outras vítimas do pedido de boicote são Tim Robbins, Laurence Fishburne, Sean Penn, Samuel L. Jackson, Alfred Woodward, a roqueira Sheryl Crow, a banda Limp Bizkit e Jackson Browne.

“Todos os pontos de ônibus da cidade têm cartazes de Good Fences, com Danny Glover, mas seguramente há melhores maneiras de gastar dez dólares”, diz o jornal.

Sobre Susan Sarandon, o NY Post afirma que “atualmente, pode ser boicotada deixando-se de ver a minissérie “Children of the Dune”, que começou domingo no canal Sci-Fi“.

Agressivo, o texto tem frases como “não ajude estes amantes de Saddam”. E pede boicote também a shows dos músicos anti-guerra. As datas e locais das próximas apresentações de Sheryl Crow, Limp Bizkit e Jackson Brown foram divulgadas pelo jornal, também para pedir o boicote.

Um parágrafo inteiro é dedicado ao trio de country music texano Dixie Chicks. Na semana passada, a cantora Natalie Maines se disse envergonhada de que George W. Bush também é do Texas. O resultado foi uma onda de boicote em rádios e destruição de seus CDs em praça pública.

Martin Sheen, que interpreta o presidente dos Estados Unidos no seriado “The West Wing” e participou de manifestações contra a guerra, viu ser cancelada a campanha do cartão de crédito Visa em que ele é o garoto propaganda. A Visa negou qualquer relação com a posição de Sheen.

São tão fortes os temores de que uma reedição do macarthismo, a famigerada caça às bruxas pós-guerra, esteja surgindo nos EUA que o Screen Actors Guild, sindicato dos atores americanos, denunciou há dias a existência de uma lista negra de atores. A lista teria a função de impedir os atores contra a guerra de trabalhar.