Arrecadação de impostos tem pior maio em cinco anos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 25 de junho de 2015 as 13:40, por: cdb
arrecadação
No acumulado dos cinco primeiros meses do ano, a arrecadação somou R$510,117 bilhões

Diante da economia cada vez mais fraca, o governo federal viu a arrecadação de impostos recuar 4% em maio e atingir o pior resultado em cinco anos para esse mês, colocando ainda mais em xeque o cumprimento da meta fiscal deste ano.

Segundo informou a Receita Federal nesta quinta-feira, a arrecadação somou R$91,5 bilhões no mês passado, abaixo do esperado e com queda real (descontada a inflação) de 4,03% sobre um ano antes. A cifra é a pior para maio desde 2010, quando somou R$86,11 bilhões.

Pesquisa da agência inglesa de notícias Reuters feita com analistas do mercado mostrou que a mediana das expectativas era de que a arrecadação somaria R$94 bilhões no mês passado.

No mês passado, a maioria dos tributos registrou queda real no período com destaque para o Imposto sobre Importação (-11,74%), Cofins (-5,14%) e CSLL (-19,98%).

Reforçou o desempenho negativo a renúncia por desoneração de R$8,838 bilhões no mês passado.

No acumulado dos cinco primeiros meses do ano, a arrecadação somou R$510,117 bilhões, 2,9% menor em termos reais sobre igual período do ano passado.

No período, a renúncia ficou em R$47,135 bilhões, 18,24% acima dos R$39,865 bilhões em igual período do ano anterior.

Com a arrecadação enfraquecida em meio à retração econômica e mesmo após a recomposição de alguns impostos federais, já há muita dúvida se o governo conseguirás cumprir a meta de superávit primário deste ano, fixada em R$66,3 bilhões, correspondente a 1,1% do Produto Interno Bruto (PIB).

Em 12 meses encerrados em abril, a economia para o pagamento dos juros da dívida estava em 0,76% do PIB segundo dados do Banco Central.

Devido à fraca arrecadação e diante da dificuldade em atingir o objetivo fiscal do ano, nos bastidores do governo já há discussão sobre a possibilidade de redução da meta de superávit primário. Nesta semana, o ministro da Fazenda, Joaquuim Levy, afirmou que era “precipitado” falar em mudança na meta de superávit de 2015 neste momento.