Arrecadação cai enquanto crédito e rombo fiscal aumentam no país

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 11 de agosto de 2016 as 14:33, por: cdb

Enquanto aumenta o déficit primário e a arrecadação segue reduzida, o volume de crédito no Brasil cresce também

 

Por Redação – de Brasília

 

Instituições financeiras consultadas pelo Ministério da Fazenda esperam que o déficit primário do Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) termine este ano em R$ 158,8 bilhões ante os R$ 155,5 bilhões previstos anteriormente.

A projeção consta da nona edição da pesquisa Prisma Fiscal, elaborada pela Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, com base em informações de 30 instituições. O resultado foi divulgado nesta quinta-feira, em Brasília. Para 2017, a estimativa de déficit passou de R$ 129,2 bilhões para R$ 138,5 bilhões .

Presidente do BC, Ilan Goldfajn avalia a queda na arrecadação e o aumento no volume de crédito

Presidente do BC, Ilan Goldfajn avalia a queda na arrecadação e o aumento no volume de crédito

Já a projeção para a arrecadação federal este ano, por sua vez, minguou de R$ 1,275 trilhão para R$ 1,269 trilhão. Para 2017, a estimativa foi reduzida de R$ 1,372 trilhão para R$ 1,364 trilhão.

Para a receita líquida do Governo Central a estimativa é que caia de R$ 1,085 trilhão este ano para R$ 1,082 trilhão e, no ano que vem, apresente também queda, registrando R$ 1,174 trilhão .

Para as despesas, a expectativa é de elevação de R$ 1,228 trilhão para R$ 1,241 trilhão este ano, e passe de R$ 1,301 trilhão para R$ 1,315 trilhão em 2017.

A pesquisa apresenta também a projeção para a dívida bruta do Governo Central, que, na avaliação das instituições financeiras, deve cair de 73,55% do Produto Interno Bruto (PIB) para 73,50% este ano. Para 2017, a estimativa mudou de 78,50% para 78,20% do PIB, a soma de todas as riquezas produzidas pelo país.

Crédito em alta

Enquanto aumenta o déficit primário, o volume de crédito no Brasil cresce também. Entre junho de 2006 e junho de 2016, o acréscimo foi de exatos 248,8%, passando de R$ 897,5 bilhões para R$ 3.130,4 bilhões, valor que inclui as operações com recursos livres (disponibilidades dos bancos) e os recursos direcionados (aqueles que as instituições têm a obrigação de reservar para operações determinadas pelo Banco Central como, por exemplo, a canalização de 65% da poupança para a habitação).

Os dados são da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac). A pesquisa mostra que, em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), a soma das riquezas produzidas no país, houve um avanço de 19,5 pontos percentuais. Em junho de 2006, os empréstimos eram equivalentes a 32,4% do PIB e, em junho deste ano, o percentual subiu para 51,9%.

As operações com recursos livres atingiram R$ 1.569,4 bilhões em junho último, ante R$ 447,2 bilhões, em junho de 2006, uma alta de 250,9%. Para as pessoas físicas, o volume passou de R$ 214,2 bilhões para R$ 799,6 bilhões, com crescimento de 273,3%, e, no caso das empresas, de R$ 232,9 bilhões para R$ 769,8 bilhões, um aumento de 230,5%. Também foi constatada ampliação na média dos prazos de pagamento nesses últimos dez anos, passando de 9 meses para 37,9 meses.

O diretor Executivo de Estudos e Pesquisas Econômicas da Anefac, Miguel José Ribeiro de Oliveira, observou, no entanto, que apesar da melhora na oferta de crédito nos últimos dez anos, a piora recente no desempenho da economia do país levou a um aumento no custo do dinheiro, na inadimplência e na redução dos prazos para a quitação.

Taxas de juros sobem

Entre junho de 2006 e junho deste ano, as taxas de juros das operações de crédito com recursos livres subiram nove pontos percentuais (de 43,2% para 52,2% ao ano). Para as pessoas jurídicas ocorreu alta de apenas 1,5 ponto percentual (de 28,8% para 30,3%), enquanto para as pessoas físicas houve um avanço de 15,6 pontos percentuais (de 55,8% para 71,4%).

O spread bancário (diferença entre o custo de captação dos bancos e as taxas de juros cobradas dos clientes) teve alta de 11,7 pontos percentuais (de 28% para 39,7%).

Para as empresas, a elevação foi de 4,6 pontos percentuais (de 13,6% para 18,2%). Já em relação às pessoas físicas, o spread aumentou 17,9 pontos percentuais (de 40,6% para 58,5%).

As pessoas jurídicas tiveram prazo médio de 25,9% em junho deste ano, com ampliação de 254,8% sobre o mesmo mês de dez anos atrás quando esse tempo girava em torno de 7,3 meses. Para as pessoas físicas, as instituições financeiras elevaram o período de parcelamento em 374,5%, passando de 11 meses para 52,2 meses.

Inadimplência

Os atrasos de pagamento por um período superior a 90 dias estão maiores, aponta a Anefac. Enquanto em junho de 2006, 4,6% dos compromissos assumidos não estavam em dia, em junho de 2016 a proporção subiu para 5,6% do total das operações.
Em relação a empréstimos tomados por empresas, a inadimplência cresceu de 2,3% para 5,1% e, no caso das pessoas físicas, a proporção caiu, passando de 7,2% para 6,1%.