Arqueólogos desenterram colosso de Memnom

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 4 de maio de 2003 as 16:33, por: cdb

Uma equipe de arqueólogos escavou este ano em Luxor o terceiro colosso de Memnon, com quase 3.500 anos, juntando-se a outros dois que figuram entre os mais importantes achados arqueológicos e atrações turísticas do Egito.

Os arqueólogos, a espanhola Miryam Seco e os alemães Hourig Sourouzian e Rainer Stadelmann, voltaram a trazer à luz este monumento após três milénios de esquecimento.

À semelhança da famosa dupla de esculturas monumentais, o novo colosso representa Amenofis III e faz parte do templo funerário que esse faraó erigiu na antiga Karnak, a sul do Cairo, e o maior do Império Novo, entre os séculos XVI e XI antes de Cristo.

Com doze metros de altura, a estátua estava enterrada na areia, ao contrário das outras duas.

A escavação, que se prolongou de Novembro de 2002 a Janeiro de 2003, faz parte do projeto de converter o templo num museu ao ar livre onde o visitante possa admirar, no local, os restos de uma construção que marcou a Antiguidade.

Situado na orla ocidental do rio Nilo, próximo ao Vale dos Reis, o templo fúnebre de Amenofis III estendia-se ao longo de 500 metros.

Um dos maiores desafios da missão consiste em localizar uma escultura de um hipopótamo branco de alabastro com dois metros de comprimento e cuja existência foi revelada pela equipe anterior de arqueólogos que trabalhou na zona nos anos 60.

Após descobrir a escultura, aqueles especialistas voltaram a enterrá-la para a preservar das intempéries, embora sem deixar provas documentais do local onde a sepultaram.