Argentinos protestam contra “pesificação” da economia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 21 de janeiro de 2002 as 22:23, por: cdb

Os argentinos voltaram às ruas para demonstrar sua insatisfação contra a conversão dos depósitos bancários em dólar para pesos. O governo anunciou que a taxa de conversão será de 1,40 peso por cada dólar. O valor é inferior à atual cotação do dólar livre, que está em torno de dois pesos, mas não foi o bastante para acalmar os ânimos. Os jornais locais acusaram o presidente Eduardo Duhalde de quebrar a promessa feita em sua posse de manter o valor dos depósitos bancários, pouco depois de o governo anterior ter limitado os saques em dinheiro. Acredita-se que a medida possa aumentar ainda mais a diferença entre ricos – que possivelmente tiveram a oportunidade de enviar dólares para o exterior e mantiveram o valor de suas economias – e pobres.

Quando tomou posse, Duhalde disse que as contas bancárias com saldos em dólar não teriam seus valores convertidos para pesos. Ele havia declarado que os bancos entregariam dólares a quem tivesse depositado dólares e pesos aos que tinham contas em pesos. Após mais de 10 anos de câmbio fixo, cerca de 67% dos depósitos bancários argentinos eram em dólar. Em entrevista ao jornal Clarín, de Buenos Aires, o ministro da Economia, Jorge Remes Lenicov, disse que os argentinos foram enganados. “As pessoas depositavam pesos, mas eram enganadas e diziam que eles eram convertidos em dólares. Dessa forma, a Argentina chegou ao cúmulo de criar dólares que na realidade não existiam. Esses dólares não existem”, declarou Lenicov.