Argentinos de olho nas eleições brasileiras

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 2 de outubro de 2002 as 11:35, por: cdb

Luiz Inácio Lula da Silva (PT) continua na capa dos principais jornais de Buenos Aires. O Clarín se surpreende com o fato do “presidente do Itaú, o segundo banco privado do Brasil, ter dito ontem em Nova York, que o candidato do Partido dos Trabalhadores ganhará e que não representa nenhum perigo para a economia”. Na capa, o Clarín dá o título “Lula, com um inesperado apoio: os banqueiros”, e dedica três páginas sobre as eleições com o s títulos: “Banqueiros e empresários agora dão seu apoio a Lula”; “José Alencar: ´O PT representa o trabalho e eu represento o capital´”; e “Wall Street se pergunta se o verdadeiro Lula é de centro ou é de esquerda”.

O La Nación, também na primeira página, diz que “EE.UU. já dá por contado o triunfo de Lula no Brasil”, e afirma que para o “governo de George W. Bush, para os investidores da América Latina e para a maioria dos analistas, a dúvida não é se Lula ganhará no próximo domingo. A dúvida é como será seu comportamento inicial, uma vez que seja eleito presidente do Brasil, sobre tudo com os Estados Unidos, de quem dependerá, em grande parte, a aceleração ou desacelaração da crise econômica de seu país”.

O La Nación também se referiu ao presidente do Itaú, Roberto Setúbal, em sua participação num seminário em Washington, no qual “não duvidou em descrever Lula como homem honesto, não populista e pragmático”. O La Nación ouve analistas que afirmam que a administração Bush “não está preocupada pela vitória de Lula e quer aproximar-se dele, mas cabe ao candidato dar o primeiro passo”. Ainda no mesmo jornal, outras duas reportagens: “Rio recuperou a calma, mas amanheceu militarizada” e o “O PT diante da urgente necessidade de uma aliança”, referindo-se aos analistas que advertem que “Lula somente controlaria 140 deputados em uma Câmara de 540 cadeiras”.

Eleição é a parte mais fácil
Ámbito Financiero faz um registro de que “Lula acumula mais pontos nas pesquisas” e publica outras duas páginas inteiras sobre o Brasil e o processo eleitoral, abrindo com “Brasil: buscam unir a esquerda para evitar segundo turno”, numa matéria destacando o “plano do veterano líder socialista Leonel Brizola de convencer o candidato do Partido Popular Socialista (PPS), Ciro Gomes, a retirar sua candidatura e anunciar respaldo a Lula”. Nas demais reportagens, Ámbito fala de “Uma incipiente rebelião no PT”; outra “Banqueiros e empresários surpreendem apoiando a Lula”; e “Um futuro cheio de condicionamentos”. Nesta última, o jornal econômico afirma que se Lula vencer, ele “poderá compreender que seu longo caminho até chegar ao Palácio do Planalto foi a parte mais fácil… ao assumir a Presidência se defrontaria com um complicado ato de equilibrismo”, numa referência aos problemas econômicos e sociais do País, além do “Congresso irritável e poderoso”.

O jornal Infobae preferiu abordar outro aspecto que tem a ver com o avanço da Petrobrás na Argentina, mencionando que a partir da próxima segunda-feira, iniciará o processo de troca de bandeira dos postos da Eg3 para a Petrobrás, ou seja, a bandeira verde e amarelo estará nas ruas da Argentina. Neste sentido, Infobae titula uma matéria: “Lula não pensa em privatizar a Petrobrás”. Outro jornal econômico, o El Cronista, também se refere à estratégia de que Ciro Gomes abandone a corrida: “Propõem uma frente opositora para que Lula ganhe no primeiro turno”.