Argentina condena ex-policial por ataque a centro judaico

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 29 de dezembro de 2003 as 23:05, por: cdb

Um ex-policial argentino foi sentenciado nesta segunda-feira a quatro meses de prisão por tentar desviar as investigações pelo atentado terrorista que destruiu em 1994 a associação judaica Amia de Buenos Aires, se tornando assim o primeiro condenado por esse ataque.

A condenação recaiu no ex-agente da polícia da província de Buenos Aires Juan Carlos Sosa, que admitiu ter falsificado seu testemunho para tentar favorecer outros oficiais policiais acusados de colaborar com os terroristas que planejaram e executaram o atentado.

Na manhã de 18 de julho de 1994 uma caminhonete carregada com explosivos reduziu a escombros os sete andares do edifício da Associação Mutual Israelita Argentina (Amia), com um saldo de 85 mortos e ao redor de 200 feridos.

O juiz Juan José Galeano atribuiu a instigação do atentado a diplomatas iranianos, sobre os quais ditou uma ordem de captura internacional com fins de extradição, enquanto um Tribunal Oral desenvolve há 27 meses um processo contra policiais locais acusados de cumplicidade com os terroristas.

No contexto desse processo, o Tribunal Oral ditou sua primeira sentença na causa ao impor quatro meses de prisão por falso testemunho ao ex-policial Sosa, que já está preso cumprindo uma condenação de quatro anos por participar de um assalto à mão armada.