Argentina agora sofre com falta d’água

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 26 de dezembro de 2002 as 20:19, por: cdb

A falta de água potável afeta mais de 10.000.000 de argentinos. As doenças transmissíveis pela água (entre elas as parasitoses) são a segunda causa de entrada nos hospitais públicos.

Somente 67% da população conta com serviço de água potável no país e 37% possui serviços de saneamento básico, o que põe a Argentina, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), no 14º e 19º lugar respectivamente em toda a América Latina.

Atualmente, as estatísticas oficiais indicam que mais de 8 milhões de argentinos, ou seja, 21,5% da população, não têm acesso à água potável. Em média, 30% dos habitantes de Misiones e 85,5% de Santiago del Estero sofrem com o problema.

Sem água segura e acessível, a fome e a desnutrição estão fatalmente vinculadas, e os mais desamparados são os menores de cinco anos. Nos primeiros 18 meses de vida, o cérebro cresce até 80% do peso do cérebro de um adulto. Se na primeira etapa não recebe proteínas, além de não crescer, acaba por regredir.

As pequenas comunidades indígenas ou rurais que não dispõem de água segura e que se abastecem diretamente das fontes naturais registram uma maior incidência de cólera e febre tifóide. Isso evidencia o grau de contaminação das fontes de água, provocada em parte por uma inadequada disposição dos esgotos de muitas comunidades, e também pela falta de sistemas de limpeza dos esgotos das localidades ribeirinhas.