Áreas desocupadas em Pernambuco podem ser desapropriadas pelo Incra

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 27 de agosto de 2003 as 00:43, por: cdb

O superintendente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Pernambuco, João Farias, comprometeu-se, na tarde da última terça-feira, mediante a assinatura de uma ata, a iniciar o processo de desapropriação de sete territórios ocupados pela União dos Agricultores de Pernambuco (Uape).
 
O pedido fazia parte de uma extensa pauta de reivindicações apresentada pelo movimento em um reunião. Na ocasião, foi requerido também o repasse imediato de mil cestas básicas, além da construção de poços artesianos, uma escola, um posto médico, várias casas populares e a reforma das estradas vicinais às áreas ocupadas.
 
João Farias considerou as reivindicações legítimas e prometeu se esforçar para que elas sejam atendidas.
 
– Não temos como preencher todas as necessidades de uma vez. Mas nos comprometemos a trabalhar para atendê-las gradativamente – alegou, ao dizer que será dada prioridade às cestas básicas e às vistorias com fins de reforma agrária.
 
O superintendente afirmou que os mantimentos devem começar a ser distribuídos no Estado a partir do dia 3 de setembro. Ele calculou em 15 mil o montante total de cestas básicas a serem distribuídas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) aos movimentos em Pernambuco. Mas fez uma ressalva:
 
– Uma vez observada a proporção do número de famílias sem-terra ligadas a cada movimento, a Uape não deve obter as mil cestas a que pleiteia – declarou.

As promessas, mesmo não englobando por completo suas aspirações, agradaram o coordenador do movimento, Marcos Andrade.
 
– Vamos deixar o Incra à vontade para que cumpra com os comprometimentos assumidos hoje à tarde. Mas, caso as promessas não sejam cumpridas, vamos nos utilizar dos elementos de que só os movimentos dispõem para atingirmos nossos objetivos –  garantiu Marcos.

Os acampamentos em questão são os de Atalaia, Canoa, Castelo, Jatobá e Veloso, em Ipojuca (a 52 quilômetros ao Sul do Recife), Pirauira, em Escada (a 62 quilômetros da capital), e Bonfim, no Cabo de Santo Agostinho (na Região Metropolitana do Recife).