Arafat estuda pedido de demissão de Abu Mazen

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 6 de setembro de 2003 as 09:13, por: cdb

O presidente palestino, Yasser Arafat, está inclinado a aceitar a renúncia apresentada pelo primeiro-ministro Mahmud Abas (Abu Mazen), mas ainda não anunciou uma decisão oficial sobre a questão, informaram fontes da Autoridade Nacional Palestina (ANP).

O funcionário palestino Ahmed Soboh, Arafat conversará sobre o assunto com o Comitê central do Fatá e com o Comitê Executivo da Organização para a Libertação da Palestina (OLP). De acordo com a Lei Básica palestina, se for formalizada a renúncia, Arafat terá que pedir a outra pessoa que forme um novo gabinete.

Segundo disseram fontes palestinas de Ramala, Abu Mazen apresentou na noite da sexta-feira a carta de renúncia a Arafat devido às disputas internas na ANP.

O Escritório do primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, afirmou, em comunicado que a renúncia de Abu Mazen, “é uma questão interna palestina”, mas Israel “acompanha de perto os eventos” e não aceitará que Yasser Arafat volte a dirigir a ANP. “A renúncia de Abu Mazen é uma questão interna palestina. Israel acompanha os eventos de perto, mas é claro que não aceitará que Yasser Arafat ou qualquer de seus próximos volte a estar no comando da ANP (Autoridade Nacional Palestina)”, diz comunicado divulgado na tarde deste sábado.

Paralelamente, altos comandantes militares afirmaram à rádio pública israelense que os passos dados por Israel para promover o processo de paz iniciado com Abu Mazen eram sérios, mas continuam sendo “reversíveis”.

O ministro da Agricultura, Israel Katz, já pediu ao governo de Ariel Sharon que congele qualquer medida prevista para reconstruir a confiança entre as partes -entre elas a concessão de mais vistos de trabalho a palestinos- até que a situação se esclareça.

Katz também pediu a expulsão de Arafat da região e uma declaração do governo de que garantirá a segurança de seus cidadãos por seus próprios meios, e não segundo os acordos feitos com os palestinos.

Abu Mazen expôs ao Parlamento palestino os “obstáculos” que o levaram apresentar sua demissão ao presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), segundo uma fonte oficial. “Abu Mazen expôs os obstáculos que impedem seu trabalho e nos informou que apresentou sua demissão ao presidente Arafat”, disse à imprensa o presidente do Parlamento, Ahmed Qorei, acrescentando que o primeiro-ministro “falou de obstáculos internos, israelenses e americanos”.

De acordo com o deputado independente Azmi Al Chueibi, Abbas afirmou que “alguns indivíduos no comitê central do Fatah (o movimento de Arafat e Abbas) não querem sua permanência no cargo”.

Ainda neste sábado, por volta das 11H00 de Brasília, os deputados palestinos irão ao quartel-general de Arafat para conhecer sua posição sobre a decisão de Abbas, segundo fontes parlamentares.

Abu Mazen foi designado por Arafat como primeiro-ministro em março deste ano e passou a ocupar o cargo no dia 29 de abril, após divergências entre ambos em relação à inclusão de Mohamed Dahlan no gabinete à frente da pasta de Assuntos de Segurança.

Desde sua posse, Abu Mazen teve claras divergências com o presidente palestino, que o levaram no passado a ameaçar renunciar. Um dos principais problemas é que Arafat controla 70% das forças de segurança da ANP.

Observadores locais afirmam que sem Abu Mazen no governo Arafat não conseguirá suportar as pressões internacionais e terá que pedir-lhe que volte ou que designe um substituto que seja totalmente fiel ao atual premier.

Por enquanto, os EUA já disseram que se Abu Mazen abandonasse o cargo, deixariam de apoiar o Mapa de Caminho, segundo afirma o jornal americano The New York Times.