Árabes pressionam Arafat por acordo com seu primeiro-ministro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 23 de abril de 2003 as 10:32, por: cdb

Representantes de países árabes fizeram um apelo de última hora para que o líder palestino Yasser Arafat chegue a um acordo com o seu novo primeiro-ministro Mahmoud Abbas – também conhecido como Abu Mazen – sobre a escolha dos nomes do novo gabinete.

O impasse pode ser um obstáculo para um novo plano de paz para o Oriente Médio.

Na madrugada desta quarta-feira, Arafat recebeu telefonemas do secretário-geral da Liga Árabe, Amr Moussa, do presidente egípcio, Hosni Mubarak, e do presidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh.

Caso Arafat e Abbas não cheguem a um acordo quanto à escolha dos integrantes do novo governo palestino até a meia-noite de quarta-feira – 18h, horário de Brasília -, o líder palestino poderá ter de indicar um novo primeiro-ministro.

Correspondentes da BBC dizem que o impasse encoberta uma luta ainda mais profunda em relação a quanto de sua autoridade que Arafat estaria disposto a abrir mão.

Integrantes do comitê executivo da OLP e do Fatah, grupo político de Arafat, se reuniram, na terça-feira, numa tentativa de desfazer o impasse entre os dois lados, num encontro a portas fechadas.

O Egito estaria enviando um representante para ajudar a resolver a crise entre os palestinos.

O chefe do serviço de inteligência do Egito, Omar Suleiman, uma figura-chave nas conversações entre as várias facções de grupos palestinos, no Cairo, no início do ano, vai se encontrar com Arafat em Ramallah ainda nesta quarta-feira, segundo informações da agência de notícias AFP.

Apesar de intensas negociações, Mahmoud Abbas não conseguiu ganhar a aprovação para suas escolhas de ministros e algumas autoridades estão prevendo uma séria crise palestina com a possibilidade até da resignação de Abbas.

A formação de um novo governo palestino é uma pré-condição estipulada pelo governo americano para a divulgação dos detalhes de um novo plano de paz, que contaria com o apoio dos Estados Unidos, da União Européia, da Rússia e das Nações Unidas (ONU).

Na terça-feira, o primeiro-ministro britânico Tony Blair disse a Arafat, num telefonema, que tudo precisa ser feito para garantir que Abbas assuma o cargo de primeiro-ministro.