Apreensões de cocaína no país aumentam, mas as de maconha caem

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010 as 11:37, por: cdb

A Junta Internacional de Fiscalização a Entorpecentes (Jife) – órgão ligado à Organização das Nações Unidas (ONU) – informou nesta quarta-feira que as apreensões de cocaína no Brasil vêm aumentando consideravelmente nos últimos anos e mais do que dobraram desde o início da década passada. Em 2008, 19,7 toneladas da droga foram apreendidas, um aumento de 15% em relação ao ano anterior.

O relatório divulgado pelo órgão também aponta uma queda nas apreensões de maconha no país em 2008. De acordo com a Jife, 187,1 toneladas da droga foram apreendidas no período, contra as 199 toneladas do ano anterior.

O diretor de Combate ao Crime Organizado da Polícia Federal, Roberto Troncon Filho, ressaltou o esforço em reduzir a oferta de drogas no país – tanto a que se destina ao consumo interno quanto a que é proveniente dos países produtores e que se destina a continentes como a Europa, África e Ásia. O destaque, segundo ele, está na intensificação da cooperação entre países sul-americanos e africanos de língua portuguesa.

Sobre a interceptação de aeronaves em voos irregulares que entram em território brasileiro carregadas de drogas, Troncon Filho disse que, no ano passado, 20 aviões com um total de 1,6 tonelada de pasta base e cocaína foram apreendidos. Há ainda, segundo ele, maior inserção da Marinha e do Exército em regiões como a Amazônia, por meio do patrulhamento de rios e da fronteira.

– O Brasil trabalha na capacitação e no treinamento de policiais de países de língua portuguesa da África, rota para o tráfico de cocaína rumo à Europa. Em dois anos, quase 150 policiais da Guiné Bissau, de Cabo Verde, Angola e São Tomé e Príncipe foram capacitados – afirmou.

A expectativa é que um Centro de Treinamento Policial para toda a região entre em funcionamento ainda no segundo semestre deste ano na Guiné Bissau.

Além da análise dos índices de apreensões, o relatório da Jife aponta também que o consumo de estimulantes no Brasil diminuiu. O maior rigor na exigência de receita médica, segundo o órgão, foi um dos fatores que contribuíram para contribuíram para a queda. Outros destaques são a implementação de medidas para evitar a falsificação de produtos e a realização de inspeções para verificar o cumprimento, por parte das farmácias, da legislação.

Foi registrado, porém, o surgimento da fabricação ilícita de drogas sintéticas no país. Em 2008, autoridades desmantelaram o primeiro laboratório de fabricação de ecstasy no Brasil, com 132 mil comprimidos apreendidos. Um segundo laboratório da droga foi descoberto no país em agosto do ano passado.