Aposentadoria integral de juízes é defendida por Procurador-geral

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 18 de junho de 2003 as 22:36, por: cdb

O futuro procurador-geral da República, Cláudio Fontelles, opôs-se nesta quarta-feira à decisão do governo de acabar, na reforma da Previdência, com a aposentadoria integral de juízes e de membros do Ministério Público (MP) e com paridade salarial entre ativos e aposentados, ao ser sabatinado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado (CCJ).

Fontelles alegou que, pela Constituição, no contexto dos funcionários públicos, os procuradores e magistrados tratam-se de “categorias vitais, mais vitais que os médicos, mais vitais que os engenheiros, que os químicos”.

Para ele, sua postura “não é uma coisa corporativa, não é aristocratismo”. Ele acredita que o combate à corrupção na Previdência resolveria a questão do déficit mais do que a reforma.

Fontelles foi categórico ao afirmar que não será “servil” ao governo.

– Fui escolhido por um partido político, mas não sou de um partido, tenho minhas opções políticas, óbvio que tenho, mas ser servil não vou ser nunca – disse Fontelles.

O nome do procurador foi aprovado pelos 22 senadores presentes à comissão e, nos próximos dias, deve ser submetido a votação no plenário.