Após polêmica, galeria retira foto de Brooke Shields nua

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 1 de outubro de 2009 as 12:11, por: cdb

A galeria de arte Tate Modern, de Londres, retirou de uma exposição sobre arte pop uma foto da atriz Brooke Shields nua aos dez anos de idade que estava provocando polêmica.

A obra do artista Richard Prince foi feita em 1983 a partir de uma imagem capturada pelo fotógrafo Gary Gross, e mostra a atriz de Lagoa Azul nua, enquadrada do joelho para cima, usando maquiagem carregada e olhando diretamente para a câmera.

A polícia metropolitana de Londres aconselhou a galeria na decisão de não incluir a foto na mostra Pop Life: Art in a Material World (Vida Pop: Arte em um Mundo Material), que será inaugurada nesta quinta-feira.

Um dia antes da abertura da exposição, organizações de combate à pedofilia expressaram sua oposição à exibição da foto.

Inicialmente a Tate Modern havia decidido colocar a foto em uma sala separada com um aviso.

A polêmica ajudou a dar publicidade à sua exposição, divulgada como uma “releitura de alguns dos maiores legados da arte pop”.

– A exposição olha para as diferentes maneiras como artistas desde os anos 1980 se relacionaram com a mídia de massa e cultivaram personalidades artísticas, criando suas próprias ‘assinaturas’ –, explica o material da galeria.

Partindo da famosa declaração de Andy Wharhol de que “um bom negócio é a melhor arte”, a mostra reflete sobre como os artistas “se infiltraram na máquina publicitária e no mercado como uma estratégia deliberada”.

– Armando-se do poder do sistema de celebridades e expandindo seu alcance para além do mundo artístico, em um contexto comercial mais amplo, estes artistas exploram canais que atraem o público dentro e fora da galeria.

Entre outras atrações da exposição está o impresso Made in Heaven, que o artista Jeff Koons apresentou na Bienal de Viena de 1990 para imortalizar sua união com a ex-atriz pornô e ex-deputada italiana Cicciolina.

A mostra inclui ainda trabalhos renomados e alguns novos de Damien Hirst, Martin Kippenberger e Takashi Murakami. Ela ficará em cartaz na Tate Modern, na margem sul do rio Tamisa, até 17 de janeiro de 2010.