Apoio de Blair à guerra contra o Iraque mina sua popularidade

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 11 de fevereiro de 2003 as 15:39, por: cdb

A popularidade do Partido Trabalhista está em seu nível mais baixo dos últimos dez anos devido à rejeição da maioria dos britânicos à posição beligerante do primeiro-ministro, Tony Blair, na crise iraquiana, segundo uma enquete publicada hoje, terça-feira, pelo “The Times”.

De acordo com a pesquisa, a primeira de uma série mensal, as mulheres são as mais descontentes, principalmente por causa da aliança de seu dirigente com o presidente dos EUA, George W. Bush.

A enquete, feita pelo ‘Times’ e o instituto ‘Populus’ com 1.004 pessoas, entre sexta-feira e sábado da semana passada, indica que o Partido Conservador, liderado por Ian Duncan Smith, está a apenas um ponto percentual dos Trabalhistas, que perderam dois pontos percentuais desde janeiro.

O apoio ao partido governista é de 35 por cento, enquanto 34 por cento dos entrevistados apóiam os conservadores.

Um terço admitiu que deixou de apoiar Tony Blair por sua postura no assunto iraquiano, enquanto apenas 20 por cento passaram a ver o primeiro-ministro mais favoravelmente por essa razão.

Enquanto 71 por cento concordam que o líder iraquiano, Saddam Hussein, tem armas de destruição em massa, e 61 por cento afirmaram que representa uma ameaça ao Reino Unido, somente um terço (34 por cento) apóia a postura de Blair e de Bush de derrubá-lo com uma guerra.

Uma ampla maioria (86 por cento) defende que os inspetores de desarmamento da ONU tenham mais tempo para fazer seu trabalho.

Por outro lado, 62 por cento disseram que apoiarão a implicação do país em uma guerra liderada pelos EUA, desde que avalizada por um segundo mandato da ONU.

O apoio ao Partido Liberal Democrata, o terceiro maior do Reino Unido, permanece em 25 por cento.