Aplicativos que permitem tradução simultânea aquecem setor de telefonia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 23 de outubro de 2012 as 08:56, por: cdb

Um aplicativo que oferece traduções em tempo real permitirá aos japoneses falar através do celular com estrangeiros, enquanto interlocutores usam seu idioma próprio.

Tradução
O aplicativo da NTT Docomo oferece tradução de línguas durante ligações telefônicas

NTT Docomo – a maior rede de telefones celulares do país – começou traduzindo do japonês ao inglês, mandarim e coreano, seguido por outras línguas.

É o último tradutor de conversas telefônicas deste tipo a ser lançado nos últimos meses. As empresas Lexifone e Vocre têm desenvolvido outros produtos, enquanto que a Alcatel-Lucent e Microsoft estão trabalhando com outras soluções.

Os produtos têm o potencial de fazer com que companhias evitem recorrer a tradutores especializados e desta maneira as ajuda a diminuir seus custos. Também poderia beneficiar à indústria turística.

No entanto, o software deste tipo de aplicativos não oferece traduções perfeitas, o que limita seu uso em algumas situações.

Tecnologia em nuvem

NTT Docomo apresentou seu aplicativo Hanashite Hon’yaku para dispositivos Android este mês na Exibição Combinada de Tecnologias Avançadas do Japão, e tem planos de lançá-lo no dia 1 de novembro.

– Serão incluídos no aplicativo o francês, alemão, indonésio, italiano, português, espanhol e tailandês para o final de novembro, elevando o número de idiomas a dez, depois do japonês – afirmou a empresa em comunicado.

– As traduções rápidas e exatas são impossíveis com qualquer celular inteligente, independentemente das especificações do dispositivo, porque Hanashite Hon’yaku utiliza a nuvem de Docomo (servidores para dispositivos móveis) para seu processamento.

A pessoa que faz uma ligação deve se inscrever em um dos planos da Docomo para poder utilizar o serviço.

Traduções nos telefones fixos

NTT Docomo logo terá que enfrentar a concorrência da empresa francesa Alcatel-Lucent, que está desenvolvendo um produto rival: We Talk, que inclui o japonês e uma série de outros idiomas, como o inglês, o francês e o árabe.

O serviço está desenvolvido para funcionar em qualquer telefone de linha fixa, o que implica que a companhia tem encontrado uma forma de reconhecimento de voz que use mostras de áudio a um ritmo de 8 kHz ó 16 kHz.

Outros produtos que dependem de conexão de dados têm utilizado mostras mais altas de 44kHz que são mais fáceis de processar. Alcatel-Lucent aplica uma tecnologia patenteada para capturar a voz do usuário e realçá-la antes de aplicar o software de reconhecimento de voz. A informação passa pelo software de tradução e depois por um sintetizador de voz.

A empresa disse que tudo isto poderia ser feito em menos de um segundo. No entanto, se optou por esperar até que o interlocutor tenha terminado de falar para iniciar a tradução devido a experimentos realizados com trabalhadores da companhia de seguros Axa, que sugeriram que os usuários preferiam dessa maneira.

– Ainda estamos trabalhando para melhorar o sistema – disse à BBC Giles Gerlinger, cofundador do produto. “Você pode conversar com uma pessoa, mas desejamos que se possam ter conferências com dez pessoas em quatro idiomas diferentes e o sistema ofereceria traduções em todos os idiomas necessários”.

– Também temos um projeto chamado MyVoice que pode ter uma voz sintética que soe como uma voz real. Gerlinger estimou que sua empresa ganharia dinheiro do produto ao alugá-lo a servidores com o software necessário para grandes empresas e cobrar as empresas menores uma cota pela quantidade de tempo que usam o serviço.

Videochats convertidos

Lexifone cobra dos usuários pelo seu serviço dependendo da duração das ligações.

Os laboratórios de investigação da Microsoft também têm trabalhado em uma tecnologia chamada Telefone Tradutor. A empresa reconhece que um dos maiores problemas é fazer com que o software se adapte aos diferentes modos como as pessoas pronunciam as palavras.

– As tecnologias ainda não são perfeitas – disse em 2010 o investigador Kit Thambiratnam. “Mas sentimos que são suficientemente boas para que duas pessoas se comuniquem em suas línguas maternas, sempre e quando estejam dispostas a falar cuidadosamente”.

O Google já conta com um aplicativo de tradução que funciona em 17 línguas faladas, ao permitir conversas cara a cara com um estrangeiro, mas ainda não está desenvolvida para funcionar com ligações telefônicas.

A nova companhia israelita Lexifone espera conseguir uma vantagem inicial com seu produto próprio de conversas telefônicas que foi lançado este ano com uma oferta de tradutores em inglês, espanhol, português, italiano e mandarim.

Seu presidente-executivo, um ex- engenheiro de computação da IBM, tem a ambição de estremecer a indústria de tradução humana, que segundo disse, gera US$ 14 bilhões anuais.

O aplicativo Vocre ganhou o prêmio de seleção de audiência no festival Techcrunch Disrupt.

– Nosso plano original foi um crescimento anual de 200% – declarou Ike Sagie no mês passado à agência inglesa de notícias Reuters, que explicou que pela aceitação que o produto teve no mercado acredita que tem “o potencial para crescer mais rápido que isso”.

A empresa está trabalhando com a BT e Telefônica para oferecer seu serviço aos clientes dessas redes telefônicas.

Enquanto isso, a empresa californiana MyLanguage está buscando outra estratégia ao oferecer traduções de voz e texto durante videochats através de seu aplicativo Vocre para iPhones que está em fase de provação. Os clientes necessitam uma conexão de internet para usá-lo.

Pedidos em tradução

Apesar das ambições dos envolvidos no incipiente setor, um analista questiona as oportunidades do êxito. “Esta classe de tecnologias em tempo real têm estado a ‘dois ou três anos de distância’ durante a década passada”, afirmou Benedict Evans, especialista em tecnologia da Enders Analysis.

– Tanto o reconhecimento de voz como a tradução automática já estão de certo modo aí, se você não é muito exigente. Mas em geral, não são soluções tão boas como falar o idioma, e suspeito que não serão o suficientemente confiáveis ao ponto de usá-las a nível empresarial quando se necessita estar realmente seguro sobre o que a outra pessoa disse.