Apesar do clima favorável, Dilma prefere ‘as sandálias da humildade’

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 23 de março de 2010 as 14:46, por: cdb

O acentuado crescimento da pré-candidata do PT ao Palácio do Planalto, Dilma Rousseff, nas pesquisas eleitorais, e a estagnação de seu provável adversário, o governador de São Paulo José Serra (PSDB), levou os diretores dos quatro principais institutos de pesquisa do país a prever a vitória da atual ministra-chefe da Casa Civil ainda no primeiro turno. Apesar do clima favorável, líderes petistas, ouvidos pelo Correio do Brasil, nesta terça-feira, ainda preferem “calçar as sandálias da humildade”.

– Não é hora de usar salto alto, mesmo porque as eleições serão em outubro e, até lá, muita coisa ainda pode acontecer – afirmou um parlamentar do PT fluminense, que prefere o anonimato.

Márcia Cavallari, do Ibope, João Francisco Meira, do Vox Populi, Mauro Paulino, do Datafolha e Ricardo Guedes, do Sensus, reunidos na capital paulista, debateram para debater o cenário eleitoral, em evento da Associação Brasileira de Empresas de Pesquisas.

Segundo Meira, há uma grande possibilidade da candidata petista “ganhar a eleição já no primeiro turno”. A falta de carisma dos principais candidatos à Presidência, segundo o diretor do Ibope, facilita as previsões pois, quando há candidatos carismáticos, a disputa se concentra mais entre as personalidades desses candidatos mas, “nem Dilma nem Serra são carismáticos”.

– Carisma não é o nome dessa eleição – afirmou aos jornalistas.

A decisão das eleições, de acordo com diretor do Ibope, estará centrada nas economia. Se o panorama estiver ruim, a tendência é de mudança, mas esse é justamente o principal trunfo do governo Lula. O aspecto ideológico, segundo o executivo, também vai pesar na hora do voto. Nas contas do Ibope, 56% das pessoas se definem como sendo de esquerda e 30% como eleitores do PT.

O tempo de TV, na opinião de Meira, também será decisivo, o que conta também como uma grande vantagem para a candidata governista, com o que concorda Ricardo Guedes, do Sensus. Segundo afirmou, “Dilma tem produto para mostrar, a economia. O Serra não tem. Hoje a tendência é muito mais pró-Dilma”.