Apesar de perder um quinto da fortuna, Gates ainda é o mais rico

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 27 de fevereiro de 2003 as 19:19, por: cdb

Pelo nono ano consecutivo, o dono da Microsoft, o americano Bill Gates, é o homem mais rico do mundo, com 40,7 bilhões de dólares, apesar de a crise econômica ter devorado em 2002 um quinto de sua fortuna, informou nesta quinta-feira, a revista Forbes.

“Se é difícil ganhar o primeiro bilhão de dólares, mais duro é mantê-los nestes dias”, dizem os autores do relatório, para justificar porque as grandes fortunas caíram em só um ano de 1,54 trilhão para 1,4 trilhão de dólares.

Em um ano marcado pelo esfriamento econômico e pela queda dos mercados, 67 pessoas deixaram de fazer parte desta lista, dos quais quatro se arruinaram completamente, como o magnata da comunicação alemão Leo Kirch e o financista suíço Martin Ebner.

Atualmente, a revista Forbes calcula que há 476 pessoas com mais de 1 bilhão no mundo, de 43 países, sendo que nos Estados Unidos está quase a metade deles: 222.

A estrela da televisão americana Oprah Winfrey entrou pela primeira vez na lista, se transformando na primeira mulher afro-americana a fazer parte do exclusivo grupo dos “multimilionários”.

A Europa é das poucas áreas geográficas em que, segundo a Forbes, aumentou o número de representantes nesta seleta lista, passando de 121 para 134.

Para isso contribuiu a incorporação de 10 novos milionários da Rússia, país que se beneficiou no último ano da forte alta dos preços do petróleo e que há apenas três anos não contribuía com nenhum rico para a lista.

A crise econômica latino-americana minguou as fortunas da região, que scontinuam encabeçadas pelo empresário mexicano Carlos Slim, com 7,4 bilhões de dólares, contra 11,5 bilhões no ano passado.

Depois de Bill Gates, o segundo posto ainda é do financista americano Warrent Buffet, de 70 anos, cuja fortuna, apesar de ter diminuído em quase cinco bilhões de dólares, é de 30,5 bilhões de dólares.

Seguem na lista os alemães Karl e Teo Albrech, os primeiros não americanos da lista, com uma fortuna estimada em 25,6 bilhões de dólares.

O co-fundador da Microsoft, Paul Allen, passou ao quarto lugar, com 20,1 bilhões, enquanto que no quinto está o príncipe saudita Alwali Bin Talal Alsaud, que acumula uma fortuna de 17,7 bilhões de dólares e que no ano passado ocupava o décimo-primeiro lugar.

O esfriamento econômico sofrido pela economia mundial no último ano não impediu que alguns empresários subissem posições, especialmente os dedicados a atividades primárias, como alimentação e vestuário, além dos dedicados ao setor das comunicações.

Entre estes últimos destacam-se, além de Gates e Winfrey, o primeiro-ministro italiano e magnata das telecomunicações, Silvio Berluconi, com 5,9 bilhões de dólares, que caiiu do 35º para o 45º lugar, e Rupert Murdoch, com 5,5 bilhões, que ficou no 54º.

A Forbes decidiu elaborar uma lista à parte, sob o título de “reis, rainhas e ditadores”, com os governantes mais ricos do planeta, e cujo cálculo é de difícil quantificação.

Nessa seção, calcula-se que o sultão de Brunei, Haji Hasanal Bolkiah, tem 11 bilhões de dólares; o príncipe Hanms Adam II, de Liechtenstein, 2 bilhões; a rainha Elizabeth II, 525 milhões; o presidente da Autoridade Palestina, Yasser Arafat, 300 milhões, e o presidente de Cuba, Fidel Castro, 110 milhões.

Entre outras curiosidades, a Forbes afirma que dos 476 milionários que existem atualmente, 25 têm menos de 40 anos; 147 mais de 70; 21 não concluíram seus estudos universitários; 16 são solteiros, e um é adolescente.