Anticristos aguardam o papa no Pacaembu

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 10 de maio de 2007 as 11:44, por: cdb

Alheios à multidão católica que lotará o estádio do Pacaembu – estão previstas 35 mil pessoas – para ver o papa Bento XVI, seguidores de uma seita internacional prometem fazer, nesta quinta-feira, um ruidoso protesto contra o papa nos portões do estádio. Eles gritarão palavras de adoração ao anticristo e mostrarão seus corpos tatuados com o 666, número bíblico da besta.

A seita se chama Creciendo en Gracia (Crescendo em Graça) e tem seguidores em 23 países, inclusive o Brasil. A sede fica em Miami, nos Estados Unidos. Seu fundador é José Luís de Jesús Miranda, um porto-riquenho que diz ser a segunda encarnação de Cristo. Seus seguidores se referem a ele com diversas alcunhas, como apóstolo, Jesus Cristo homem, Deus vivo e – a mais polêmica – anticristo.

As referências ao satanismo parecem mais uma maneira de chamar a atenção, já que a Creciendo en Gracia não faz rituais macabros e suas bases estão em trechos da Bíblia estrategicamente selecionados. O porto-riquenho reconhece a importância de Cristo, mas garante que seu exemplo de sacrifício não precisa ser seguido – se ele morreu na cruz para tirar os pecados do mundo, todas as pessoas agora são automaticamente puras. “Faz 2 mil anos que pecado e diabo não existem”, costuma dizer. Agora o exemplo é o próprio Jesús Miranda – por isso que se autodefine como “o anticristo” (contrário ao modelo de Cristo).


A seita não divulga estimativas do número de seguidores no mundo. No Brasil, a presença dos “anticristos” não é expressiva. Há 37 centros educativos, como são chamados os templos, e cerca de 5 mil seguidores. A presença proporcionalmente mais forte é na Colômbia, onde há 80 centros.