ANP desiste de punir Hamas e Jihad Islâmica

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 13 de dezembro de 2001 as 14:38, por: cdb

A Autoridade Nacional Palestina (ANP) voltou atrás em sua decisão de fechar instituições controladas pelos grupos extremistas Hamas e Jihad Islâmica. A liderança dos palestinos argumentou que não tomará essa decisão sob pressão dos tanques de Israel, referindo-se às mais recentes operações militares israelenses.

Israel enviou tanques – nesta quinta-feira – à cidade de Ramallah, na Cisjordânia, onde eles se posicionaram próximo aos escritórios do líder Yasser Arafat. Soldados israelenses usaram escavadeiras para demolir o prédio da estação de rádio A Voz da Palestina e explodiram o transmissor da rádio.

Tropas de Israel também atacaram hoje a casa de Marwan Barghouthi, um líder da organização Fatah, de Yasser Arafat e uma das principais lideranças palestinas. O governo israelense já havia anunciado o corte de relações com Yasser Arafat, horas depois de atiradores palestinos dispararem contra um ônibus com colonos judeus, matando dez pessoas.

A Autoridade Palestina havia condenado o atentado e ordenado o fechamento das instituições do Hamas e da Jihad Islâmcia, inclusive nas áreas de saúde e educação e seus escritórios políticos. Em uma nota oficial, o primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, disse que Israel considera Arafat “diretamente responsável” pelos recentes atentados. “Yasser Arafat não é mais relevante ao Estado de Israel e não haverá mais contatos com ele”, afirma a nota.

Arafat já havia deixado seus escritórios em Ramallah na semana passada, depois de ataques aéreos israelenses. “A liderança (da Autoridade Palestina) reitera que está trabalhando continuamente para restaurar a calma e a segurança, apesar dos seguidos bombardeios e assassinatos de Israel”, disse a entidade, em um comunicado oficial. Mas as ações não conseguiram convencer Israel, que quer que a Autoridade Palestina declare ilegais os dois grupos e reprima suas alas militares.