Annette Bening diz que filmes com atrizes mais velhas têm publico

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 21 de setembro de 2004 as 14:08, por: cdb

A atriz americana Annette Bening, que nesta terça-feira recebe em San Sebastián o prêmio Donostia, do festival internacional de cinema realizado na cidade espanhola, acredita que “há mais público do que as produtoras pensam” para filmes protagonizados por atrizes mais velhas.

Bening apresentou hoje na Seção Oficial da competição, embora fora de concurso, seu último filme, “Being Julia”, de István Szabó. A atriz disse que “os papéis de mulheres são uma questão de mercado e, portanto, estão sempre submetidos à primeira preocupação dos grandes estúdios: o que vai vender mais?”.

Esse enfoque é equivocado, segundo Bening. “Se a participação das mulheres nos filmes é abordada com imaginação e educação, tenho certeza de que há mais público para esse tipo de filme do que eles imaginam.”

Bening agradeceu a Szabó a oportunidade de participar de seu filme, que conta a história de Julia, uma atriz que trabalha no teatro londrino de 1938 e que, depois de ser humilhada por seu jovem amante e traída por seu marido (Jeremy Irons), dá a volta por cima para usar o teatro como palco de sua vingança. Uma comédia que lembra “To be or not to be” (de Ernst Lubitsch) pelo paralelismo teatral e a época à qual se refere.

A atriz receberá o prêmio “Donostia” por sua carreira, o mesmo que seu marido Warren Beatty não pôde receber na edição de 2001 por causa dos atentados de 11 de setembro. “Queria vir agora, mas temos quatro filhos e não queríamos atrapalhar as aulas, por isso decidimos que era melhor ele ficar”, disse a atriz.

Annette Bening disse que ser mulher significa “ter de conciliar a família com a carreira profissional”.

Como muitas das estrelas do cinema americano, Annette Bening, assim como seu marido, é uma das vozes incondicionais dos democratas e “embora nem sempre aproveite a condição de famosa”, agora diz querer demonstrar seu apoio John Kerry, candidato à presidência por esse partido.

Na Seção Oficial da competição espanhola entra hoje em competição o filme “Mon père est ingénieur”, do cineasta francês Robert Guediguian, uma história de amor ambientada em um mundo ferido pelo racismo e outras formas de fascismo. Também será exibido o chinês “Letter from an unkown woman”, dirigido por Xu Jinglei.