Aniversário de Brizola terá manifesto pró-candidatura

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 22 de janeiro de 2002 as 00:41, por: cdb

Os 80 anos do principal líder do PDT, o presidente nacional do partido, Leonel Brizola, serão comemorados nesta terça-feira, com o lançamento de um manifesto apelando para que o ex-governador seja candidato a presidente. O documento, de duas páginas, intitulado “Brizola, pelo Brasil para os Brasileiros”, faz uma “conclamação à nova jornada”. “Conclamamos ao companheiro Leonel de Moura Brizola para que, com a mesma ousadia sempre presente em sua caminhada (…), seja candidato à Presidência, com propostas de transformações e não só eleitorais – vencer para mudar”, diz o texto, a ser distribuído pelos diretórios regionais.

Para o vice-presidente pedetista, Carlos Lupi, a candidatura própria do partido “é uma questão de sobrevivência”. Segundo Lupi, os números comprovam o melhor desempenho da legenda nas eleições quando Brizola disputou a Presidência, em 1994, e quando foi candidato a vice-presidente na chapa do presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva em 1998. “Em 1994, Brizola teve 3% dos votos e elegemos 36 deputados federais. Em 1998, Lula teve 40% e elegemos 26 deputados. Quando um partido tem candidatura própria, a tendência é crescer.”

Brizola resiste. Tem dito que é preciso avaliar se a candidatura será positiva para a sigla ou se dividirá ainda mais o eleitorado de esquerda e favorecer o governo federal. No entanto, ele retomou negociações para formar uma aliança em torno do pré-candidato a presidente Ciro Gomes (PPS). Divergências regionais, porém, emperram a aliança. No manifesto em favor de Brizola, os pedetistas lembram tentativas infrutíferas de união das oposições.

O líder pedetista tem defendido uma aliança de centro-esquerda. Mas, diante das notícias de que seria procurado pelo presidente nacional do PSB, Miguel Arraes, para discutir a possibilidade de apoio à pré-candidatura do governador do Rio, Anthony Garotinho (PSB), a presidente, Brizola descartou qualquer aproximação: “Manda dizer ao Arraes que mudei de endereço”.

Apesar das comemorações programadas pelos diretórios regionais, Brizola decidiu não participar de festas. “Sou um homem da terra, vou para o campo. Andar na terra, de pé descalço energiza-me”, disse.