Angels in America atrai todas as atenções em época de Emmy

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 14 de setembro de 2004 as 13:44, por: cdb

A minissérie da HBO “Angels in America”, com seis horas de duração e que custou 64 milhões de dólares, lidera o Emmy com 21 indicações e tem tudo para tornar-se o maior vencedor de todos os tempos da premiação.

A opinião geral é que “Angels” tem tudo para superar o recorde de nove Emmy conquistados em 1977 pela minissérie “Raízes” e, possivelmente, o marco de 11 estatuetas dadas em 1976 ao telefilme “Eleanor and Franklin”.

Por enquanto, é claro, “Angels” ainda não ganhou nada. Os vencedores serão anunciados em Los Angeles em 19 de setembro. Mas o aclamado projeto, baseado na peça em duas partes de Tony Kushner, ganhadora do Prêmio Pulitzer, promovida há 14 anos pelo produtor Cary Brokaw, parece ser a aposta mais certeira já oferecida pelos Emmy.

“Eu sabia que teríamos um bom número de indicações, mas o que recebemos supera de longe minhas expectativas”, admitiu o produtor.

Brokaw disse estar especialmente satisfeito pela indicação de oito dos atores principais da minissérie, o que confere a “Angels” a possibilidade de vencer nas quatro categorias de atuação em minissérie ou telefilme. Nenhum projeto até hoje conseguiu esse feito no Emmy.

“Angels in America” é o favorito inconteste na categoria minissérie, mas esta inclui outros concorrentes de qualidade, entre eles “American Family — Journey of Dreams” e “Prime Suspect 6: The Last Witness”, da PBS, “Horatio Hornblower: Loyalty and Duty”, da A&E, e “Traffic: The Miniseries”, da USA Network.

Na categoria melhor filme para TV do ano, a Showtime ganhou tantas indicações (duas) quanto a HBO, tradicionalmente hegemônica na área.

Os indicados da Showtime são o polêmico “The Reagans” e o remake fiel ao original “The Lion in Winter”. Os telefilmes indicados ao Emmy da HBO são “And Starring Pancho Villa as Himself” e “Something the Lord Made”. “Ike: The Countdown to D-Day”, da A&E, vem completar a categoria.