Ameaça de greve no Ibama ganha força em todos os Estados

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 7 de maio de 2007 as 12:25, por: cdb

A greve dos servidores do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) ganha força no país, em reação à divisão do órgão definida pela Medida Provisória (MP) 366/07. Além dos servidores do Ibama no Amazonas e no Distrito Federal, que anunciaram a paralisação no final da semana passada, os serviços no Ceará, Santa Catarina e Paraná já estão comprometidos.

Uma assembléia nacional dos servidores do Ibama, com a participação de representantes dos Estados, está marcada para esta quinta-feira. Servidores do DF querem que seja convocada uma greve nacional, por tempo indeterminado.

O presidente nacional da Associação dos Servidores do Ibama (Assibama), Jonas Corrêa, adiantou que a tendência é que todos os Estados optem pela greve e esclarece que a motivação não tem caráter econômico.

– Estamos defendendo a unicidade da gestão ambiental do Ibama, alcançada há 18 anos com a criação do órgão. Vamos colocar em pauta a paralisação nacional por tempo indeterminado e acreditamos que seja aprovada por unanimidade. 
 
Mobilizações

Durante o período de paralisação, a associação pedirá apoio à Câmara e ao Senado para barrar a MP. Nesta terça-feira, representantes do Ibama participarão de audiência pública na Comissão da Amazônia da Câmara dos Deputados que vai discutir a MP 366/07. Na quarta-feira, está programada uma marcha na Esplanada dos Ministérios e uma manifestação em frente ao prédio do Ministério do Meio Ambiente.
 
Os servidores protestam contra a Medida Provisória, que divide o órgão em três e transfere parte das atribuições e dos servidores para os recém-criados Instituto Chico Mendes e Serviço Florestal Brasileiro. Para Corrêa, o Ibama realmente precisava de uma reestruturação, mas os servidores não concordam com a maneira como foi conduzida:

– Nós fomos pegos de surpresa com a Medida Provisória 366/07. Queremos que o governo volte atrás e discuta com a sociedade uma melhor forma de realizar essas mudanças.

Reestruturação

O governo decidiu mudar a política da autarquia depois da demora na concessão de licenças ambientais para obras consideradas vitais para o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Com as mudanças no órgão, o Ibama ficou responsável pela fiscalização e concessão de licenças. A parte de conservação passou a ser de responsabilidade do Instituto Chico Mendes. 

Outro lado

A assessoria do Ministério do Meio Ambiente não quis se pronunciar sobre a greve dos servidores do Ibama.