Alpinistas fazem a festa no Everest pelo 50º aniversário de sua conquista

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 21 de maio de 2003 as 16:58, por: cdb

Um número recorde de alpinistas está tentando escalar o do monte Everest 50 anos depois de o topo ter sido alcançado pela primeira vez, em 1953.

Cerca de 150 montanhistas e seus acompanhantes da etnia sherpa – que vivem na região – estão no lado sul da montanha esperando o fim das ventanias que os vêm impedindo de chegar ao topo nesta temporada.

Nesta quarta-feira, uma equipe chinesa alcançou o pico da montanha pelo lado norte. Os chineses também transmitiram as primeiras imagens ao vivo do pico do Everest.

Essa foi a primeira equipe a conseguir conquistar o pico neste ano, mas ela já foi seguida por outros grupos.

Autorização

Acredita-se que, se o tempo na montanha melhorar, a atual temporada pode bater todos os recordes de números de pessoas a chegar ao topo em um mesmo ano.

Mas nem todos estão felizes com essa perspectiva.

Junko Tabei – a primeira mulher a chegar ao topo do Everest, em 1975 – disse que há um número excessivo de pessoas tentando alcançar o cume.

– Apenas duas ou três equipes por temporada deveriam receber autorização para escalar o Everest – disse Junko Tabei.

– O governo do Nepal deveria vetar algumas das permissões que já concedeu – acrescentou a montanhista.

Semanas seguidas de ventos fortes haviam impedido que qualquer um chegasse ao topo da montanha neste ano.

Mas nesta quarta-feira pela manhã uma equipe chinesa conseguiu alcançar o topo, após um dia de tempo bom e noite estrelada.

A conquista foi recebida com festa em Pequim, quando a TV estatal da China mostrou a equipe chinesa descansando no “topo do mundo” e exibindo a bandeira chinesa.

A chegada da equipe chinesa se deu uma semana antes da celebração dos 50 anos da primeira escalada ao topo do Everest, realizada pelo britânico Edmund Hillary e pelo nepalês Tenzing Norgay, da etnia sherpa.

– O vento está muitíssimo forte. Nós, a primeira equipe, estamos aqui saudando o povo chinês – disse um dos alipinistas em sua mensagem televisionada.

“Zona da morte”

Há relatos de que outras equipes de montanhistas subiram o Everest pelo lado norte após os chineses.

Mas no lado sul, cerca de 100 alpinistas e seus acompanhantes sherpas foram impedidos de avançar devido aos ventos muito fortes da última terça-feira (20) à noite. Alguns chegaram a desistir quando faltavam apenas 350 metros para chegarem ao topo.

Esses e outros 50 montanhistas devem repetir a tentativa novamente nesta quarta-feira à noite, o que pode criar longas esperas em trechos da rota onde apenas uma pessoa pode subir ou descer de cada vez.

O número grande de pessoas pode atrasar a subida e a descida das equipes, o que aumenta o risco da escalada.